As Maiores Batalhas e Guerras da História - A Farroupilha

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra dos Farrapos ou a Revolução Farroupilha

(1835-1845)

Brutal ataque dos Farrapos contra as tropas imperiais brasileiras.
 
Facções: República Rio-Grandense (Bento Gonçalves) x Império do Brasil (Dom Pedro II).
 
Forças: Desconhecidas.
 
Perdas: Desconhecidas.
 
Resultado: Vitória Militar Imperial; Vitória Política Republicana e assinatura do Tratado de Poncho Verde.
 
Local: Toda a Região Sul do Brasil.
 
Setas Azuis (Ofensivas dos Farrapos); Setas Verdes (Contra-ataques Imperiais); Áreas Azuis (Redutos da Farroupilha no fim da guerra); Cruzes Pretas (Batalhas).
 
A Guerra: A região sul sempre se sentiu abandonada pelo governo de Portugal. A Coroa estava mais interessada nas regiões tropicais ricas em minérios e outros recursos naturais para extrair e exportar. Esse abandono continuou durante o governo de Dom Pedro I.
 
O charque, principal produto do sul, era destinado para o mercado nacional dos escravos. Os charqueadores sulinos, que disputavam com a Argentina e o Uruguai, cujo charque era mais barato e usado pela elite brasileira, queriam que o governo imperial adotasse uma medida de proteção nacional ao invés de aumentar os impostos que cobravam pelos charques.
 
Para piorar, por ser um estado de fronteira, São Pedro (antigo nome do Rio Grande do Sul) sempre estava de alerta para ataques ou invasões e não se sentia compensado por sua grande importância na defesa da nação.
 
Em 1834, Antonio Rodrigues Fernandes Braga foi nomeado para presidir a província. Logo aumentou os impostos e acusou os fazendeiros locais de separatistas. A população começou a odiar o novo governador e os militares locais planejavam um golpe. Os farrapos, que eram membros liberais partidários do regime federalista, se rebelaram contra o governo central por mais autonomia nas províncias do sul. Em 21 de setembro de 1835, liderados pelo deputado e coronel Bento Gonçalves da Silva, os rebeldes tomaram Porto Alegre e destituíram Fernandes Braga.
 
Em 10 de setembro de 1836, os farrapos comandados por Antonio de Souza Neto, obtiveram uma grande vitória nos Campos de Seival entre Pelotas e Bagé, contra as tropas imperiais de João da Silva Tavares. Após tal vitória, os rebeldes proclamaram uma República com Bento Gonçalves como presidente. Porém, reforços imperiais acabariam vencendo os farrapos na Batalha do Fanfa e retomariam o controle de Porto Alegre. Bento Gonçalves seria capturado e enviado para uma prisão na Bahia.
 
Em abril de 1837, com a ajuda de simpatizantes do movimento, Bento Gonçalves escapou da Bahia e voltou para o sul. Em 1839, com a ajuda de voluntários italianos liderados por Giuseppe Garibaldi, um aventureiro e entusiasta em movimentos de independência, os farrapos retomaram Porto Alegre e entraram em Santa Catarina. Em Laguna, os rebeldes proclamaram a República de Juliana. Durante seu avanço para o Paraná, Garibaldi conheceu uma linda mulher sulista chamada Ana Maria de Jesus Ribeiro, que depois da guerra se tornaria sua esposa chamada de Anita Garibaldi e lutaria ao seu lado na Farroupilha e na unificação Italiana anos depois.
 
Após grandes avanços pelo Paraná, sendo que alguns grupos de farrapos alcançaram a fronteira com São Paulo, conflitos internos fizeram com que o movimento rebelde perdesse força. Num brutal contra-ataque, as tropas imperiais expulsaram os farrapos do Paraná e entraram em Santa Catarina onde recapturaram Laguna e dissolveram a República de Juliana em poucos meses de intensos combates. Em 1840, Dom Pedro II assumiu o comando do Império e enviou mais tropas e armas pesadas para aniquilar os rebeldes.
 
Em 1842, tropas imperiais expulsavam os farrapos de Santa Catarina e entravam no Rio Grande do Sul. Seu líder era Luis Alves de Lima e Silva, o futuro Duque de Caxias, que começou a negociar uma rendição rebelde com Davi Canabarro, substituto de Bento Gonçalves. Desmoralizados com as últimas derrotas e conflitos dentro de seu movimento, os líderes rebeldes aceitaram um acordo: o Tratado de Poncho Verde.
 
O acordo foi benéfico para os farrapos, pois concedia anistia aos rebeldes e deixava com que eles escolhessem seu próprio governador. Os altos impostos no charque seriam diminuídos. Alguns grupos mais fanáticos de farrapos decidiram resistir na fronteira sul do país, mas acabaram derrotados em 1845, finalizando o conflito.
 
Mesmo fracassando na tentativa de separação de sua província do resto do Império, os farrapos conseguiram o poder no sul e enriquecer os estancieiros locais. Como recompensa pela vitória sobre os rebeldes e pelo método adotado no tratado assinado, Luis Alves acabou escolhido pelo governo como governador da província e sem receber reclamações dos derrotados.
 

Curiosidades:

  • A minissérie "A Casa das Sete Mulheres" é uma representação quase perfeita de toda a Revolução Farroupilha. Mostra todos os personagens históricos e os principais eventos que marcaram o conflito. A minissérie fica focada em sete mulheres, todas relacionadas ao líder Bento Gonçalves, que apoiavam a revolução ao mesmo tempo em que tentavam ter uma vida normal no meio de tal brutal conflito brasileiro.

Bibliografia: