As Maiores Batalhas e Guerras da História - A Batalha de Trafalgar

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Batalha Naval de Trafalgar

(1805)

 

O caos naval entre ingleses, franceses e espanhóis em Trafalgar.
 
Facções: Império Britânico (Horatio Nelson) x Império Francês e Reino da Espanha (Pierre-Charles Villeneuve).

Forças: Britânicos: 33 navios de guerra x Franceses e Espanhóis: 41 navios de guerra.

Perdas: Britânicos: 1.666 mortos e feridos x Franceses e Espanhóis: 13.781 mortos e feridos, 8.000 capturados, 21 navios capturados e 1 navio afundado.

Resultado: Decisiva Vitória Britânica.

Local: Cabo Trafalgar, Espanha.

Seta Vermelha (Frota Franco-Espanhola); Seta Azul (Frota Inglesa); Cruz Preta (Local da batalha).
 
A Batalha Naval: Em 1800, Napoleão Bonaparte tornou-se o Primeiro Cônsul da França (uma espécie de primeiro-ministro) após uma fantástica campanha militar no norte da Itália. O desastre militar no Egito não afetou sua carreira militar e política, mas muitos líderes políticos questionavam se Napoleão seria um boa escolha para a defesa da França.
 
Mesmo conseguindo defender a França de seus vizinhos, Napoleão ainda não havia obtido uma vitória decisiva no Império Britânico. O principal obstáculo de Napoleão de conquistar a Inglaterra era sua enorme e poderosa marinha comandada por seu maior rival, o Almirante Horatio Nelson. Em 1805, Napoleão uniu sua frota com a dos espanhóis, pois seu irmão havia assumido o trono espanhol um ano antes. O plano era estabelecer um bloqueio naval no Canal da Mancha e facilitar a travessia do exército francês na ilha para finalmente esmagar a resistência inglesa.
 
O adversário de Nelson foi o almirante francês, Pierre-Charles Villeneuve, que sabia muito das táticas de combate do almirante inglês e sua frota. Em setembro de 1805, após inúmeras pressões e provocações de Napoleão, Pierre finalmente deixou o porto espanhol de Valência com 41 navios de guerra, metade sendo da frota francesa.
 
Nelson não perdeu tempo e movimentou sua frota de 33 navios de guerra contra a frota franco-espanhola. Ambas as frotas se encontraram no Cabo Trafalgar ainda na Espanha. Antes de atacar, Nelson se reuniu com todos os capitães de sua frota para planejar o ataque. Muitos de seus oficiais queriam usar a famosa tática de combate naval clássico - em que as duas frotas ficavam lado a lado e atiravam até não terem mais condições de lutar - mas, ela acabaria causando um empate. Porém, Nelson adotou uma tática mais ousada: ele avançaria sua frota em duas linhas bem no meio da frota franco-espanhola que se posicionaria para um combate naval clássico. Nelson acreditava que venceria a batalha. E ele estava certo. Antes mesmo de enfrentar Nelson, Villeneuve já estava desesperado e não tinha nenhum plano de batalha contra os ingleses.
 
Em 21 de Outubro, Nelson enviou um comunicado para a Inglaterra e iniciou seu ataque contra a frota inimiga. Já Villeneuve reuniu sua frota no formato clássico de combate naval e disparou por mais de 30 minutos contra a frota inglesa. Os ingleses sofreram grandes baixas, mas quando romperam as formações franco-espanholas, eles rapidamente dominaram a situação e a batalha virou um verdadeiro caos naval. Nas primeiras horas do combate, os franco-espanhóis já haviam perdido mais de 7000 homens, graças aos exímios atiradores britânicos que raramente erravam o alvo. Muitas vidas seriam perdidas para os franco-espanhóis pelo resto do dia.
 
Entre as fatalidades britânicas estava o próprio Nelson. Este foi atingido por um atirador francês abordo de sua nau, Vitória. Antes de morrer, Nelson perguntou quantos navios franceses haviam se entregado e seus oficiais disseram que pelo menos 15 navios se renderam. Nelson respondeu que mais de 20 se renderiam no fim da luta. Logo após essa frase o almirante inglês faleceu no Vitória.
 
Mais de 8000 franco-espanhóis seriam capturados, incluindo o almirante Villeneuve. Pelo menos 13700 franco-espanhóis foram mortos ou feridos na batalha e só 19 navios escaparam, a maioria bastante danificada para continuar a lutar. Foi o maior desastre naval que a França sofreu em toda a sua história. E também acabou com o sonho de Napoleão de dominar a Inglaterra.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia: