As Maiores Batalhas e Guerras da História - A Guerra Guaranítica

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra Guaranítica

(1754-1756)

Tropas luso-espanholas enfrentam guerreiros guaranis na região das Missões.
 
Facções: Impérios Português e Espanhol (Gomes Freire de Andrade Bobadela) x Guaranis Missionários (Sepé Tiaraju).

Forças: Desconhecidas.

Perdas: Desconhecidas.

Resultado: Vitória Luso-Espanhola; A região das Missões é anexada pela Espanha; Guaranis missionários e líderes jesuítas são massacrados.

Local: Missões (atual Tríplice Fronteira).

Área Verde (Missões); Área Azul (Império Português); Área Vermelha (Império Espanhol); Setas Azuis (Invasão Portuguesa); Setas Vermelhas (Invasão Espanhola); Cruzes Pretas (Batalhas).
 
A Guerra: Com a descoberta do Novo Mundo no século XV, portugueses e espanhóis começaram a disputar pelo controle dessas novas terras. Em 1494, ambos assinaram o Tratado de Tordesilhas que ajudou a demarcar as conquistas de ambos os impérios. Segundo o tratado boa parte do território brasileiro era da Espanha, mas Portugal não reconhecia.
 
Nos anos seguintes, como forma de combater a Reforma de Martinho Lutero, a Igreja Católica criou novas congregações religiosas para a ajudar a espalhar o catolicismo pelo resto do mundo. A Companhia de Jesus era uma dessas congregações, mas com treinamento militar adicional para seus membros. A Companhia enviou centenas de padres jesuítas para o Novo Mundo onde estabeleceram várias missões pelas colônias portuguesas e espanholas tendo como objetivo central converter os índias à fé católica e facilitar a conquista desses novos territórios para os europeus.
 
No século XVIII, os portugueses expandiram ainda mais suas terras para dentro de territórios considerados dos espanhóis, no sul do Brasil. Para impedir um novo conflito, em 1750, foi assinado o Tratado de Madri que delimitava novas fronteiras entre os impérios. O principal acordo do tratado era a entrega da região das Missões (Espanha) para Portugal, enquanto Sacramento (Portugal) era entregue para a Espanha. Porém, nem os jesuítas e nem os índios guaranis aceitaram tal decisão e decidiram pegar em armas para defender o que era deles de direito.
 
Em 1753, todos os guaranis que habitavam as Missões se posicionaram nas fronteiras das colônias européias para impedir a anexação de suas terras. Em 1754, teve início a guerra quando tropas portuguesas e espanholas invadiram as Missões e enfrentaram uma poderosa resistência de milhares de guerreiros guaranis liderados pelo líder jesuíta Sepé Tiaraju. Os espanhóis invadiram pelo sul, enquanto os portugueses invadiram pelo norte. As forças luso-espanholas eram comandadas pelo general português Gomes Freire. Depois de uma árdua marcha pelos pântanos da região, em 1755, espanhóis e portugueses se encontraram no Rio Jacuí e isolaram um grande número de guaranis no sul das Missões. Em 1756, as forças luso-espanholas alcançaram Sete Passos, capital da província, e adentraram a vila onde mataram os últimos guerreiros guaranis e seu líder, Sepé Tiaraju. Assim a guerra acabava.
 
Mesmo com o fim do conflito, o problema nas fronteiras continuou. Em 1761, os jesuítas de Sacramento não gostaram do Tratado de Madri e este acabou sendo anulado para evitar um novo conflito armado na região. Na Europa, os jesuítas foram culpados de terem provocado a Guerra Guaranítica contra os reinos europeus. A Igreja foi forçada a dissolver a Companhia de Jesus e em 1768, os últimos jesuítas eram expulsos da América. Sem a presença dos jesuítas, os guaranis começaram a integrar-se ainda mais na sociedade brasileira, argentina e paraguaia para sobreviverem.
 
 

Curiosidades:

  • O filme inglês "A Missão" mostra bem no final uma parte da Guerra Guaranítica e como os luso-espanhóis massacraram os despreparados índios guaranis e seus aliados jesuítas.
 
 

Bibliografia: