As Maiores Batalhas e Guerras da História - A Guerra dos Oitenta Anos

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra dos Oitenta Anos

(1568-1648)

Espanhóis e holandeses lutam pelo controle do Porto de Antuérpia.
 
 
Facções: Províncias Unidas, Inglaterra e França (William, O Silêncioso) x Império Espanhol (Filipe II, III e IV).
 
Forças: Desconhecidas.
 
Perdas: Desconhecidas.
 
Resultado: Paz de Münster; Espanha reconhece a independência da Holanda, mas continua ocupando a Bélgica e Luxemburgo.
 
Local: Países Baixos e algumas colônias espanholas pelo mundo.
 
Área Vermelha (Império Espanhol); Área Vinho (Província Rebelde da Holanda); Setas Vermelhas (Ataques Espanhóis); Seta Verde (Ataque Britânico); Setas Laranjas (Ataques Franceses); Cruzes Pretas (Batalhas e Cercos).
 
 
A Guerra: O país chamado de Holanda foi no século XVI E XVII uma região da Europa controlada pela Espanha e que demorou oitenta anos para ganhar sua independência. Os holandeses, famosos por serem grandes artistas e comerciantes, foi o primeiro povo europeu a estabelecer uma liberdade de expressão contra um governo tirânico e também de criar uma oligarquia voltada para o povo.
 
Carlos V, rei da Espanha e do Sacro Império Romano, não era nem espanhol ou germânico e sim belga de nascimento. Por causa de vários acontecimentos dinásticos fizeram com que Carlos V fosse dono de metade da Europa. Foi também durante seu governo que ocorreram as expansões espanholas pelo Novo Mundo. Por causa da idade avançada, em 1556, Carlos V abdicou do trono e passou o comando do império para Felipe II, seu filho. Porém, Felipe II odiava os povos dos Países Baixos e os considerava como meros escravos da Espanha. Em 1568, os Países Baixos iniciavam uma violenta revolta contra o domínio espanhol na região. O principal motivo era que os holandeses eram calvinistas e não aceitaram a proposta de Felipe de se converterem ao catolicismo.
 
Felipe, irritado com a decisão dos holandeses de resistirem ao catolicismo, enviou milhares de soldados sob o comando dos duques de Alva e Parma para esmagar a revolta. Mesmo tendo os melhores soldados da Europa, na época, os espanhóis iriam enfrentar a fúria de uma população que queria independência e liberdade. Como um ato de desespero, os holandeses destruíram a maioria de seus diques e isso causou imensas inundações em várias partes da Holanda, atrasando ainda mais o avanço espanhol. Em 1581, os principais líderes políticos e comerciais da Holanda proclamaram diante do povo que Felipe II não era mais o dono dos Países Baixos. Com essa declaração, a população pegou em armas e avançou contra o exército espanhol. Tal ato militar seria repetido pelos ingleses, americanos e franceses nos próximos anos.
 
Quando a Inglaterra enviou tropas para ajudar os holandeses, Felipe II enviou a Armada Espanhola para invadir a ilha e derrubar o reino protestante da Rainha Elizabeth I em 1588. Após o desastre que se seguiu com a destruição da Armada, Felipe começou a perder força na sua campanha contra os holandeses. Mas, os espanhóis não queriam perder tal território e continuaram a lutar até 1609, quando ambos os lados assinaram uma trégua. Porém, nove anos depois, a guerra recomeçou nos Países Baixos quando teve início a Guerra dos Trinta Anos no Sacro Império Romano. Foi durante esse novo período do conflito que os holandeses se mostraram excelentes navegadores e atacavam sem dó navios espanhóis na Europa e no Caribe. Em 1648, com o fim da Guerra dos Trinta Anos, a Espanha finalmente aceitou a derrota contra os holandeses e reconheceu a independência da Holanda, mas, a Espanha continuaria controlando a Bélgica e Luxemburgo.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia: