As Maiores Batalhas e Guerras da História - A Queda de Constantinopla

 

As Maiores Batalha e Guerras da História

A Queda de Constantinopla

(1453 D.C.)

Exército Otomano entrando em Constantinopla após o longo cerco.
 
 
Facções: Império Bizantino (Constantino IX) x Império Otomano (Maomé II).
 
Forças: 12.600 bizantinos e gregos, mais 26 navios x 300.000 otomanos, 70 canhões e 126 navios.
 
Perdas: 4.000 bizantinos e gregos mortos, o resto foi escravizado; Pesadas baixas otomanas.
 
Resultado: Decisiva Vitória Otomana; Queda do Império Bizantino.
 
Local: Constantinopla.
 
 
Área Azul (Império Bizantino); Área Laranja (Reinos Árabes); Setas Vermelhas (Invasão Otomana); Setas Azuis Claras (Reconquista Espanhola); Círculo Preto (Local da Batalha).
 
 
A Batalha: Constantinopla, capital do Império Bizantino, ainda continuava sendo a maior e mais bem construída cidade da Europa, depois de sobreviver a 16 cercos! Graças aos seus altos muros e por sua localização geográfica (a cidade é cercada pelo mar em três lados diferentes), Constantinopla pode resistir aos ataques de centenas de povos diferentes ao longo dos anos. Porém, em 1453, as coisas iriam mudar para pior quando um novo povo turco apareceu usando uma arma até então desconhecida no ocidente: o canhão.

Os turcos otomanos surgiram na Ásia Menor a partir do ano 1300. Eles estabeleceram um poderoso exército e consquistaram a maioria das províncias bizantinas na península até 1400. Mas, em 1402, tiveram que parar seu avanço após um ataque surpresa vindo dos mongóis liderados por Tamerlão. Após a derrota definitiva de Tamerlão, os otomanos puderam resumir seu avanço contra Constantinopla que acabou cercada em 1453. Entre as várias armas de cerco haviam os primeiros canhões da História. Totalmente criados pelos otomanos, estes dominariam a arte da artilharia por dois séculos seguidos.

A defesa da cidade estava nas mãos do último imperador bizantino, Constantino IX. Ele conseguiu reunir os últimos 10.000 soldados bizantinos, mais 2.600 voluntários gregos, contra um imenso exército de 300.000 otomanos, apoiados por 70 canhões. Os famosos muros de Constantinopla, que ajudaram a cidade a sobreviver contra vários invasores, sucumbiram diante do poder destruidor dos canhões otomanos. Perplexos com tal nível de poder de fogo, os bizantinos tiveram sua moral extremamente afetada e pediram por ajuda de seus amigos de Roma. Porém, nenhuma ajuda externa foi enviada para defender Constantinopla. Esse abandono da cidade que protegia a Europa teria graves conseqüências para os anos seguintes.

No final de maio, os muros de Constantinopla estavam acabados. Com isso, os otomanos finalmente poderiam invadir a cidade bizantina. Sobre o comando do sultão Maomé II, os otomanos investiram com tudo nas brechas das muralhas e entraram na cidade. Esperando sofrer imensas perdas, Maomé II ficou impressionado com a pouca resistência que encontrou em Constantinopla. Entre os mortos durante o cerco estavam 4.000 bizantinos e gregos, mais o imperador Constantino IX. O resto da guarnição se rendeu depois de uma breve resistência e foi vendida como escrava. Por três dias, os otomanos saquearam a cidade e mataram mais de 4.000 civis. O estrago poderia ter sido maior se não fosse a intervenção de Maomé II que queria Constantinopla como a capital de seu mais novo império. Com isso nascia um dos maiores impérios da História, o Império Otomano, nas cinzas do Império Bizantino, o último legado do lendário Império Romano.
 
 
Não há curiosidades.
 
 

Bibliografia: