As Maiores Batalhas e Guerras da História - As Batalhas de Meca e Medina

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

As Batalhas de Meca e Medina

(627-630 D.C.)

Maomé reunindo sua cavalaria árabe para tomar Meca.
 
Facções: Mulçumanos (Maomé) x Tribo Quraysh (Abu Sufyan).

Forças: 10.000 árabes x número desconhecido de guerreiros quraysh.

Perdas: 2.000 árabes e 12.000 quraysh mortos ou feridos.

Resultado: Vitória Mulçumana e dissolução da Tribo Quraysh.

Local: Hejaz (atual litoral ocidental da Arábia Saudita).

Círculo Vermelho (Território Quraysh); Círculo Azul (Território Mulçumano); Seta Vermelha (Ataque Quraysh); Seta Azul (Ataque Mulçumano).
 
As Batalhas: Tudo começou quando Maomé, um simples mercador da cidade de Meca, recebeu uma visita divina e iniciou a criação de uma nova tribo: os mulçumanos. Meca era controlada pela poderosa tribo Quraysh que viu Maomé como uma ameaça e tentou elimina-lo. Maomé escapou de Meca e se exilou em Medina, uma cidade a mais de 338 km ao norte de Meca.
 
Em 622, Maomé construiu um poderoso exército em Medina e atacou todas as caravanas que iam para Meca. Abu Sufyan, líder dos Quraysh, organizou seu exército e iniciou sua luta contra Maomé. Em 624, Maomé venceu a Batalha de Badr, mas foi derrotado no ano seguinte na Batalha de Ohod. Com essa derrota, Maomé recuou para Medina para reconstruir suas forças.
 
Porém, Abu Sufyan reuniu um exército de 10.000 guerreiros e cercou Medina por 20 dias. Maomé e seus 3.000 homens resistiram bravamente ao cerco e acabaram derrotando Sufyan. Humilhado em Medina, Abu Sufyan e Maomé assinaram um acordo chamado de Tratado de Hudaybiya, que garantia a livre viagem de qualquer mulçumano para Meca.
 
Em 629, Abu Sufyan rompeu o tratado e provocou Maomé a enfrenta-lo em Meca. Maomé cercou a cidade por quase um ano. Em 630, Maomé entrou em Meca e converteu metade da população para sua tribo mulçumana. Maomé destriu tudo que era considerado pagão e assim nasceu o Islamismo. Já Abu Sufyan foi exilado de Meca e possívelmente morto pelo calor do deserto. O legado de Maomé continua até hoje.
 
Não há curiosidades sobre as batalhas.
 

Bibliografia: