ZERO | Ep. 02 Sobre o criado-mudo

Jorge BenJor às 5:32 do rádio de Lidiana. "Por causa de você, menina"... O som moroso caía bem ao bocejo da moça, que lavava o rosto para estar pontualmente no ponto às 5:57. Seu Luís sempre atrasa 2 minutos... Mas só 2 minutos!
E a cada passar da escova pelos dentes da frente, a moça se lembra da noite passada. E que noite foi essa!? Ela mal sabia o que pensar. Era simples,era ele, era aquilo.
_ Esquece essa coisa sem sentido! Já são dez pras seis! Vou perder o ônibus!_ Ela imaginou.
O criado-mudo todo desordenado tinha logo no canto, a chave do pequeno quarto, mas... Por descuido fingido, havia lá... Sob a chave... Um pequeno bilhete.
Ela, em dúvida, simplesmente abriu para ler... Sem sequer imaginar o que seria. Era uma folha branca, com garranchos a lápis. Gastou sete minutos para ler... Linha após linha, havia:

"Não vá para a cama tão tarde. Passe devagar, senão o mertiolate arde... Não espere que outro alguém construa pontes até Marte. Até no mesmo planeta, toda travessia é arte..Não vá para a cama tão tarde... Pois nem sempre é o medo que te pinta de covarde."

Sorriu ao olhar o rádio-relógio e ver que eram 6 em ponto. Era pena... Ah, que pena... Que, por um segredo guardado, nunca revelado... Seu poeta nunca podia ficar até o amanhecer.

(Daniel Fernando)