Conspirações de Garamond | Os cinco pilares do Islamismo

Queridos sedentos pelo intangível, meus cumprimentos. Com as últimas manifestações midiáticas e globais a respeito de atentados terroristas, achei que seria interessante falar um pouco sobre o Islamismo. Distante de dizer ou colocar opiniões políticas nessa matéria, quero apresentar-lhes um pouco das bases que sustentas o Islã.

Rezas são de extrema importância na religião Islâmica 
Basicamente, são cinco pilares que sustentam toda a fé islâmica e guiam os seus seguidores (não, eu não tenho obsessão por listas de cinco). Começando por sua "profissão de fé" e passando por uma série de rezas, esses princípios são os sustentáculos que fazem alguém ser, de fato, muçulmano. Em uma espécie de ordem de fatores, ilustrarei todos os caminhos do Islã.

1 - Shahada

"Não há deus senão Alá, e Maomé é seu mensageiro."
 A Shahada (ou Chahada) é a Profissão de fé Islâmica. Uma pessoa se torna, automaticamente, muçulmana apenas rezando essas palavras em árabe. "Quer dizer que, se eu ler isso em árabe, eu viro muçulmano?". Não, você não se torna muçulmano apenas lendo. Essa espécie de reza deve ser proclamada três vezes em frente a outros muçulmanos. A "conversão" costuma ser feita com o auxílio de isires, aiatolás, muftis, cadis, imanes, ulemas, xeques e/ou almuadens (no Islamismo, não existe um sacerdote, apenas posições de prestígio na fé) em uma mesquita.

Após repetir três vezes a reza (a pronuncia é "ā 'ilaha 'illāl-lāh an Muhammadur rasūlu llāhi") frente a testemunhas, você se torna um muçulmano!

Uma curiosidade muito interessante é o fato de que você pode realizar sua Shahada online. Isso mesmo! Diversos sites te auxiliam e até emitem certificados oficiais de conversão ao Islã!

2 - Salat

Salat em uma mesquita

Salat, Salah ou Salá é a série de cinco orações (repito: não tenho obsessão por listas de cinco) realizada pelos muçulmanos nos diferentes períodos do dia.

Elas acontecem na seguinte sequencia:
-  Entre a primeira luz do dia e o nascer do sol.
-  Após o sol ter passado da metade do céu.
-  Entre o meio da tarde e o pôr do sol.
-  Entre o pôr do sol e a última luz do dia.
-  Entre a escuridão e a meia-noite.
Como deu para perceber, elas não estão relacionadas a um horário específico. No caso de estações e/ou regiões distintas com relógios solares diferentes, em um lugar a oração será num período "x" e em outro será num período "y". 
As orações (ou rezas) devem ser feitas em árabe. Normalmente, elas são citações do Alcorão ou súplicas prescritas pelo profeta Muhammad (Maomé). Todas devem ser realizadas com o fiel voltado geograficamente para Meca.

3 - Zakat


O Zakat (erroneamente conhecido como esmolas), é um tributo religioso que cada muçulmano deve pagar. Ele representa 2,5% da riqueza que cada um possui. Normalmente, essa oferta é feita durante o mês sagrado do Ramadã.

Temos duas principais razões para que se confunda Zakat com esmolas. A primeira é o fato de ser destinado aos mais humildes. A segunda razão se deve ao hábito Islâmico de oferecer esmolas. Por não ser uma religião movida pela Sola Gratia ("somente a graça": a ideia protestante de salvação imerecida e que jamais poderia ser alcançada por qualquer obra, somente por concessão divina) e sim uma religião de obras, distribuir esmolas entra na balança de atos positivos que levam ao céu. "Espera, eu já me perdi aqui!". Calma, eu vou tentar fazer uma breve explicação a respeito do conceito de obras no Islã. Para o Islamismo,  cada pessoa é contabilizada por suas boas obras e "pecados" (não sei dizer se esse é o termo mais apropriado). No final de sua vida, tudo será colocado numa balança. Se ela pender para o lado ruim, Mármore do Inferno! Se pender para o bom, 40 virgens! As esmolas meio que anulam uma ação ruim. Esse é um dos motivos de serem tão comuns nesse meio religioso.

4 - Ramadã 

Banquetes são feitos ao terminar o Ramadã
O Mês do Ramadã é o nono mês lunar Islâmico. Pelo fato do calendário muçulmano se basear nas fases da lua, este mês acaba caindo em períodos diferentes a cada ano.

Durante estes trinta dias, entre o amanhecer até ao pôr do sol os muçulmanos abdicam de comida, bebida, fumo, relações sexuais e evitam qualquer forma de negatividade. Eles se dedicam com mais intensidade ao estudo do Alcorão, realização das orações, práticas dos valores Islâmicos e idas às mesquitas. Além das cinco orações diárias, uma quinta, chamada Taraweeh (oração noturna), é feita após o Sol se pôr.

Acredita-se que no mês do Ramadã os céus estão mais próximos da terra. De certa forma, Alá fica mais próximo de nós. Partindo dessa premissa, a fé dos muçulmanos deve ser renovada. Também acredita-se que as orações são ouvidas com mais facilidade.

5 - Peregrinação à Meca 

O último pilar - e nem de longe menos importante - é a Peregrinação à Meca. Como o próprio nome indica, esta é a parte da vida onde todo muçulmano deve conhecer a ilustre pedra negra dos pecados.

Lembram de quando eu falei sobre a balança dos atos ruins e dos bons atos? A ida à Meca purifica todos os seus pecados. "Como assim?". A "lista" de coisas ruins praticadas ao longo de sua vida é apagada pela Peregrinação. Isso acontece pois o Islamismo acredita que Meca reúne o pecados de todos os homens.

A Peregrinação (também conhecida como Hajj) deve ser feita durante o mês Dhu al-HijaHajj (último mês do ano). A ida durante outro mês não anula esta obrigatoriedade (mas conta como um grande "bom ato").