Conspirações de Garamond | Shub-Niggurath, a divindade da fertilidade de H. P. Lovecraft

Queridos sedentos pelo intangível, meus cumprimentos. Hoje usaremos os nossos cérebros para contemplar o pai do horror literário: Howard Phillips Lovecraft. Sendo mais preciso, elucidaremos a respeito de uma de suas muitas divindades: Shub-Niggurath, conhecida também como  a Cabra Negra do Bosque com Dez Mil Crias.

(aqui temos uma ilustração FANTÁSTICA de Shub-Niggurath)

 Antes de falarmos da musa parideira de nosso excêntrico literato estadunidense, farei uma breve contextualização a respeito da hierarquia das entidades Lovecraftianas. Mesmo Cthulhu sendo o mais popular dessas entidades, ele não é nem de longe o mais poderoso. Cthulhu faz parte de um panteão chamado Os Grandes Antigos (The Great Older One). Mesmo sendo imortais e de impossível compreensão, as divindades membros desse grupo ainda estão abaixo de um outro escalão divino. As verdadeiras deidades dessa mordaz mitologia são os Deuses Exteriores ou Outer Gods (um dia escreverei um pouco mais sobre eles). Shub-Niggurath é justamente uma membro dos Outer Gods. Mais especificamente, ela é a terceira mais poderosa criatura no universo (há divergências quanto a isso). 

Cthulhu, popular mas não o mais poderoso

Como foi visto na primeira imagem, Shub-Niggurath é um tanto disforme. Ela é descrita como uma nuvem ou aglomerado de bocas, tentáculos e chifres. Ela está a todo momento "parindo" crias amorfas que espelham sua deformidade e poder. Dos Deuses Exteriores, ela é uma das poucas divindades que responde aos clamores humanos (para quem não sabe, os Outer Gods são de uma compreensão absurdamente oblíqua e, em sua quase absoluta maioria, não respondem a chamados humanos). 

Shub-Niggurath em uma ilustração que lhe dá um aspecto de nuvem

Sendo a entidade máxima da fertilidade, muitos de seus cultistas realizaram seu ritual de invocação ao longo do tempo com o intuito de melhorar safras, plantações e trazer fertilidade aos inférteis. Costumeiramente, ela responde aos clamores de seus súditos. Sua breve invocação pode fazer com que florestas se ergam, animais se proliferem numa velocidade celular e que mulheres venham a ficar grávidas repentinamente. Mesmo sendo algo aparentemente bom, chamar a Cabra Negra do Bosque com Dez Mil Crias pode trazer sérias, e drásticas, consequências. Em alguns casos, enxames de insetos de proporções titânicas são formados e fetos siameses são gerados. Existe também uma espécie de cerimônia em que alguns de seus asseclas "preferidos" (não sabemos se, de fato, ela possui preferências) acabam sendo engolidos e vomitados em seguida pela divindade. Ao serem expelidos, eles voltam deformados, com aspectos monstruosos e vida eterna.

Não se sabe muito bem se a divindade da fecundidade responde seus súditos por mero reflexo involuntário ou por possuir uma consciência mais "humana". Essa indagação existe pois os Outer Gods são, muitas vezes, forças estúpidas sem propósito ou planos. Sua invocação pode ser apenas uma resposta mecânica ao que ela representa, a fertilidade em si. 

Mesmo não sendo exatamente deuses, Howard Phillips Lovecraft parece sempre tentar encaixar um propósito representativo das divindades dos teístas em suas próprias divindades, moldando de forma para que pareçam seres acidentais e de natureza física peculiarmente lógica. Shub-Niggurath representa o aspecto progenitor divino e biológico. É um contraponto muito interessante ao ateísmo de Lovecraft. Mesmo não crendo em nada além da materialidade diante de seus próprios olhos, o pai do horror literário procura criar uma lógica teatral em seus contos. Digo lógica teatral pois cada divindade parece interpretar um aspecto vital da vida e da matéria (outro exemplo disso é Yog-Shothoth representando a presença, existência e conhecimento). 

Ao refletir sobre Shub-Niggurath, me pergunto se ela é o drama divino da vida encarnado no teatro de Lovecraft ou se a procriação tenha sido uma força natural que o autor considerou ser grande o suficiente para tomar lugar como uma divindade. Com uma história de vida cheia de infortúnios e mazelas, é extremamente complexo tentar compreender os "porquês" de Lovecraft. Qualquer aspecto de sua literatura pode ser um mero devaneio de sua depressão ou a grandiosa elaboração de um talentoso escritor. A segunda hipótese é a que mais me agrada. 

 Uma outra observação que tenho quanto à Cabra Negra do Bosque com Dez Mil Crias é se seu ritual que concede imortalidade é uma sátira das crenças de vida ou paz eterna (paraíso em muitos casos) pregadas pelas diversas fés ou uma reflexão sobre a supremacia biológica que poderia trazer vida eterna e perfeição ao homem. Nesse caso, as duas hipóteses são igualmente interessantes. 

 Como vocês podem ver, Shub-Niggurath é um dos muitos enigmas de Lovecraft. Cabe sempre ao leitor interpretar e tirar suas próprias conclusões. Todas as ideias expostas são meras análises minhas a respeito das diversas obras desse magnífico escritor. Se você discordou ou possuí alguma outra teoria, comente aqui embaixo. Nos vemos semana que vem com mais Conspirações de Garamond!