As Maiores Batalhas e Guerras da História - A Batalha de Trafalgar

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Batalha Naval de Trafalgar

(1805)

 

O caos naval entre ingleses, franceses e espanhóis em Trafalgar.
 
Facções: Império Britânico (Horatio Nelson) x Império Francês e Reino da Espanha (Pierre-Charles Villeneuve).

Forças: Britânicos: 33 navios de guerra x Franceses e Espanhóis: 41 navios de guerra.

Perdas: Britânicos: 1.666 mortos e feridos x Franceses e Espanhóis: 13.781 mortos e feridos, 8.000 capturados, 21 navios capturados e 1 navio afundado.

Resultado: Decisiva Vitória Britânica.

Local: Cabo Trafalgar, Espanha.

Seta Vermelha (Frota Franco-Espanhola); Seta Azul (Frota Inglesa); Cruz Preta (Local da batalha).
 
A Batalha Naval: Em 1800, Napoleão Bonaparte tornou-se o Primeiro Cônsul da França (uma espécie de primeiro-ministro) após uma fantástica campanha militar no norte da Itália. O desastre militar no Egito não afetou sua carreira militar e política, mas muitos líderes políticos questionavam se Napoleão seria um boa escolha para a defesa da França.
 
Mesmo conseguindo defender a França de seus vizinhos, Napoleão ainda não havia obtido uma vitória decisiva no Império Britânico. O principal obstáculo de Napoleão de conquistar a Inglaterra era sua enorme e poderosa marinha comandada por seu maior rival, o Almirante Horatio Nelson. Em 1805, Napoleão uniu sua frota com a dos espanhóis, pois seu irmão havia assumido o trono espanhol um ano antes. O plano era estabelecer um bloqueio naval no Canal da Mancha e facilitar a travessia do exército francês na ilha para finalmente esmagar a resistência inglesa.
 
O adversário de Nelson foi o almirante francês, Pierre-Charles Villeneuve, que sabia muito das táticas de combate do almirante inglês e sua frota. Em setembro de 1805, após inúmeras pressões e provocações de Napoleão, Pierre finalmente deixou o porto espanhol de Valência com 41 navios de guerra, metade sendo da frota francesa.
 
Nelson não perdeu tempo e movimentou sua frota de 33 navios de guerra contra a frota franco-espanhola. Ambas as frotas se encontraram no Cabo Trafalgar ainda na Espanha. Antes de atacar, Nelson se reuniu com todos os capitães de sua frota para planejar o ataque. Muitos de seus oficiais queriam usar a famosa tática de combate naval clássico - em que as duas frotas ficavam lado a lado e atiravam até não terem mais condições de lutar - mas, ela acabaria causando um empate. Porém, Nelson adotou uma tática mais ousada: ele avançaria sua frota em duas linhas bem no meio da frota franco-espanhola que se posicionaria para um combate naval clássico. Nelson acreditava que venceria a batalha. E ele estava certo. Antes mesmo de enfrentar Nelson, Villeneuve já estava desesperado e não tinha nenhum plano de batalha contra os ingleses.
 
Em 21 de Outubro, Nelson enviou um comunicado para a Inglaterra e iniciou seu ataque contra a frota inimiga. Já Villeneuve reuniu sua frota no formato clássico de combate naval e disparou por mais de 30 minutos contra a frota inglesa. Os ingleses sofreram grandes baixas, mas quando romperam as formações franco-espanholas, eles rapidamente dominaram a situação e a batalha virou um verdadeiro caos naval. Nas primeiras horas do combate, os franco-espanhóis já haviam perdido mais de 7000 homens, graças aos exímios atiradores britânicos que raramente erravam o alvo. Muitas vidas seriam perdidas para os franco-espanhóis pelo resto do dia.
 
Entre as fatalidades britânicas estava o próprio Nelson. Este foi atingido por um atirador francês abordo de sua nau, Vitória. Antes de morrer, Nelson perguntou quantos navios franceses haviam se entregado e seus oficiais disseram que pelo menos 15 navios se renderam. Nelson respondeu que mais de 20 se renderiam no fim da luta. Logo após essa frase o almirante inglês faleceu no Vitória.
 
Mais de 8000 franco-espanhóis seriam capturados, incluindo o almirante Villeneuve. Pelo menos 13700 franco-espanhóis foram mortos ou feridos na batalha e só 19 navios escaparam, a maioria bastante danificada para continuar a lutar. Foi o maior desastre naval que a França sofreu em toda a sua história. E também acabou com o sonho de Napoleão de dominar a Inglaterra.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:

As Maiores Batalhas e Guerras da História - A Batalha do Nilo

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Batalha do Rio Nilo

(1798)

A fragata francesa "O Oriente" explode durante a longa batalha naval.
 
Facções: Império Britânico (Almirante Horatio Nelson) x República Francesa (Almirante François-Paul Brueys d'Aigalliers).
 
Forças: Britânicos; 15 navios de guerra x Franceses: 17 navios de guerra.
 
Perdas: Britânicos: 218 mortos e 677 feridos x Franceses: 5000 mortos, 3900 capturados, 4 navios afundados e 9 navios capturados.
 
Resultado: Decisiva Vitória Britânica.
 
Local: Baía de Aboukir, Egito, Império Otomano.
 
Setas Vermelhas (Avanços Franceses); Cruzes Vermelhas (Vitórias Francesas); Área Vermelha (Limite do Avanço Francês); Seta Verde (Frota Britânica); Cruz Verde (Vitória Britânica); Círculo Preto (Local da Batalha).
 

A Batalha Naval: No verão de 1798, Napoleão Bonaparte, liderou uma grande expedição militar e científica de Toulon, na França, para Malta e depois o Egito. Ele queria estabelecer um império francês no Oriente Médio, igual a Alexandre, o Grande e alcançar a Índia, a jóia de todo o Império Britânico.
 
Após a rápida captura de Malta, a frota francesa desembarcou Napoleão e seu exército em Alexandria, onde facilmente esmagou a guarnição mameluca. Dias após o desembarque, Napoleão liderou seu exército pelo desconhecido deserto egípcio e destruiu os mamelucos na Batalha das Pirâmides. Porém, Napoleão havia esquecido que sua frota estava sendo perseguida por seu maior adversário, o Almirante inglês Horatio Nelson.

Mesmo perseguindo os franceses, Nelson não chegou à tempo de deter o desembarque francês em Alexandria. Porém, após incansáveis dias de procura, Nelson finalmente localizou a frota francesa ancorada na Baía de Aboukir no dia 1 de Agosto.

A frota francesa, comandada pelo Almirante François-Paul Brueys d'Aigalliers, estava numa posição protegida e vantajosa. Seus navios estavam juntos e seus canhões e atiradores mirados contra qualquer ameaça vinda pelo mar. Porém, tal tática naval que Brueys adotou era na verdade uma tática britânica. E Nelson sabia como derrota-la. Ao invés de cercar e atacar no dia seguinte, Nelson esperou escurecer e atacou diretamente a frota francesa, surpreendendo os próprios franceses.

Quando o ataque teve início, a frota inglesa não atacou logo a frota francesa e sim a cercou. Em meia hora, os navios ingleses haviam bloqueado a frota francesa no litoral e sem ter uma chance de escapar. Brueys ficou confuso onde tentaria romper o cerco e isso se mostrou decisivo para os ingleses aniquilarem a frota francesa.

A Batalha do Nilo foi uma enorme e fácil vitória inglesa e um grande desastre para os franceses. Mesmo cercados, os franceses lutaram até o fim por três dias e noites, sofrendo enormes perdas, mas mantendo a moral alta. A pior perda para os franceses foi quando a nau da frota, a fragata "O Oriente", explodiu e matou todos a bordo, incluindo Brueys. Há meia-noite do dia 3 de agosto, a batalha chegava ao fim com a rendição dos franceses remanescentes. Só quatro navios franceses escaparam da batalha.

Com essa enorme vitória, os ingleses tinham o controle total do Mediterrâneo. Por causa dessa derrota naval, Napoleão abandonou a campanha em 1799 e retornou para a França. Deixou para trás mais de 30.000 homens e seus melhores generais que se renderiam só em 1801 após uma árdua campanha terrestre feita pelos ingleses e otomanos. Nunca mais Napoleão tentaria expandir a influência da Revolução Francesa para fora da Europa.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:

As Maiores Batalhas e Guerras da História - As Guerras Revolucionárias Francesas

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

As Guerras da Revolução Francesa

(1793-1799)

O Novo Exército Francês enfrenta a Primeira Coalizão em Valmy.
 
Facções: República Francesa (Paul Barras) x Império Áustriaco e seus aliados (Prússia, Inglaterra, Rússia, Espanha, Portugal, Suíça, Império Otomano e Holanda).

Forças: Desconhecidas.

Perdas: Desconhecidas.

Resultado: Duas Grandes Vitórias Francesas contra as Duas Coalizões Européias.

Locais: Europa, Egito, Oriente Médio, Oceano Atlântico, Caribe e Oceano Índico.

Linhas Azuis (Defesas francesas); Cruzes Vermelhas (Conflitos revolucionários = Girondinos x Jacobinos); Setas Verdes (Primeira Coalizão); Setas Roxas (Segunda Coalizão).
 
A Guerra: Em 1793, os revolucionários da Assembléia Legislativa condenaram e executaram o rei Luís XVI. Já fazia três anos que a Revolução Francesa havia iniciado e era pela segunda vez na história da Europa que um líder monarca era morto por seu próprio povo. A primeira vez aconteceu com o rei Carlos I durante a Guerra Civil Inglesa.
 
Logo após a morte de Luís XVI, a França entrava numa violenta guerra contra a Primeira Coalizão (Inglaterra, Espanha, Prússia e Áustria). A situação da França em sobreviver a uma invasão gigantesca era baixa, pois a maioria dos oficiais do exército eram da nobreza e muitos estavam sendo caçados e executados pelos revolucionários.
 
Mas, foi um general nobre, Lucien Carnot, que apareceu para salvar a França dessa ameaça estrangeira. Mesmo sendo nobre, Lucien Carnot queria acabar com as monarquias européias e espalhar a revolução pelo resto da Europa. Ele declarou estado de emergência nacional e estabeleceu uma lei que obrigava todos os homens que tivessem excelentes condições físicas, imediatamente integrassem o exército. Ele também estabeleceu três classes de soldados: os jovens lutariam nas frentes de batalha, os homens de meia-idade trabalhariam nas fábricas de armas e munição e os velhos ficariam nas cidades francesas tocando os sinos das igrejas e fazendo propagandas para comemorar a revolução republicana.
 
Ainda em 1793, Carnot conseguiu reunir um exército de mais 800.000 homens para defender a nação. Para aquela época esse número de soldados era considerado raro e incrível. Como por exemplo: a Primeira Coalizão só juntou 400.000 homens para invadir a França e esse era considerado um número bom para um exército europeu. Graças ao enorme entusiasmo pela revolução e pelas novas táticas de combate, ensinadas por oficiais americanos, os franceses conseguiram vencer várias batalhas contra os exércitos "profissionais" de toda a Europa. Em 1794, a França havia derrotado a Primeira Coalizão e expulsado suas tropas até a fronteira. Nesse mesmo ano, um jovem coronel da artilharia francesa chamado Napoleão Bonaparte venceu a marinha inglesa e retomou o porto francês de Toulon no Mediterrâneo.
 
Em 1795, o Comitê de Segurança, estabelecido por Carnot foi substituído pelo chamado Diretório. Com esse novo governo estabelecido, o exército francês se modernizou e derrotou uma Segunda Coalizão e no ano seguinte, tropas francesas invadiram a Suíça, a Itália, a Áustria e a Holanda. Em 1799, a França finalizava suas campanhas militares e expandiu sua enorme fronteira nos territórios capturados.
 

Curiosidades:

  • O jogo Assassin's Creed Unity retrata com perfeição a Revolução Francesa em Paris e os conflitos entre girondinos e jacobinos pelo poder. Porém, não menciona ou mostra a campanha da França contra as coalizões européias.
 
  • O filme musical "Os Miseráveis" também retrata a situação da França durante a Revolução. Mostra muito pouco sobre as lutas que aconteceu e se foca mais na situação social da população.

Bibliografia:



Terror no Espaço - Curiosidades (Alien: Covenant)

 

O que são os Neomorfos?

Parece que os aliens estão ficando mais sinistros em cada filme!
 

O Neomorfo é o mais novo alien a aparecer no Univero Alien. Sua primeira aparição veio no mais novo filme da franquia, Alien: Covenant. Dois desses monstros aparecem, causando caos e muitas mortes lá pela metade do filme. São rápidos, fortes, cruéis e famintos por carne nova. Mesmo tendo semelhanças aos aliens originais, os neomorfos não são os aliens que conhecemos. Eles seriam o prelúdio do monstro que atomentaria nossas vidas nos outros filmes.

Eles nascem a partir de esporos de plantas contaminadas com a gosma preta. Quando infectam algum humano, este imediatamente entra num violento estado de tremedeira e espasmos. A criatura se desenvolve por completo e em poucos minutos explode pela boca ou costas do hospedeiro. Ela começa pequena, mas em poucos segundos cresce para o tamanho de um cachorro. Após se alimentar, a criatura alcança o tamanho de um homem adulto e fica mais rápido e inteligente.

A criatura anda de quatro, quando está caçando, mas pode ficar ereto quando está explorando novos ambientes. Seu físico é parecido com o do alien original, mas é mais orgânico do que mecânico. Ele não possuiu os tubos de respiração e não tem uma segunda "boca" dentro da grande boca que possui. Antes de atacar sua presa, a criatura faz um pequeno assobio para intimidação ou para contatar outros membros do grupo. As únicas semelhanças com o alien são a cauda, a cabeça alongada e seu sangue ácido. Sua corolação é totalmente branca.

Eles são o resultado de anos de pesquisa feito pelo andróide David para criar o ser perfeito usando partes dos engenheiros mortos com os animais locais infectados com a gosma preta. Mesmo não sendo perfeitos em quase nada, David ainda os acha muito bonitos e facéis de domesticar. Somente dois desses monstros apareceram no filme e não se sabe se ainda vão aparecer em outras histórias no futuro da franquia.

Bibliografia:

  • Xenopedia - The Alien vs Predator Wikia - Neomorph (página em inglês).

As Maiores Batalhas e Guerras da História - O Cerco de Gibraltar

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

O Cerco de Gibraltar

(1779-1783)

Pintura mostrando os detalhes do cerco espanhol contra a fortaleza britânica de Gibraltar.
 
Facções: Império Britânico (George Augustus Eliott) x Coalizão Franco-Espanhola (Duque de Crillon).

Forças: Britânicos: 7500 homens, 96 canhões e 12 navios leves x Franco-Espanhóis: 63000 homens, 86 canhões e 47 navios pesados.

Perdas: Britânicos: 1781 mortos e feridos; Franco-Espanhóis: 6000 mortos e feridos, 9 navios afundados e 1 navio capturado.

Resultado: Decisiva Vitória Britânica.

Local: Gibraltar.

Setas Azul e Verde (Avanço Franco-Espanhol); Círculo Vermelho (Fortaleza de Gibraltar); Seta Vermelha (Rota de Suprimentos Britânicos).
 
O Cerco: A famosa rocha de Gibraltar sempre foi palco de brutais disputas por sua posição geográfica e estratégica. Mas, de todas as batalhas pela rocha a mais famosa foi entre Espanha e Inglaterra durante a Guerra de Independência Americana. A Espanha entrou na guerra ao lado dos americanos e decidiu se aproveitar da distração britânica na América para retomar o controle da rocha que era dominada pelos ingleses desde a Guerra de Sucessão Espanhola em 1704.
 
Quando a guerra teve início, os ingleses só possuíam 5000 homens em Gibraltar. Mesmo em menor número, a guarnição resistiu bravamente aos primeiros ataques espanhóis, mas necessitavam de reforços e suprimentos para aguentar o longo cerco. Durante o inverno de 1779-1780, o almirante inglês George Rodney rompeu o bloqueio naval espanhol e desembarcou mais tropas e suprimentos essenciais para a defesa do Rochedo.
 
Quando as negociações de paz começaram em 1781, a Espanha decidiu que tomaria o Rochedo antes do fim da guerra. Em 1782, os espanhóis, com apoio de batalhões de engenheiros franceses e de 10 navios pesados, lançaram o maior e mais brutal ataque contra Gibraltar. Porém, antes do ataque começar, os canhões ingleses no Rochedo afundaram ou danificaram a maioria dos navios franceses que bombardeavam a fortaleza. Mesmo sem apoio naval, os espanhóis foram com tudo e sofreram imensas perdas. Essa derrota desmoralizou de vez os espanhóis. A moral franco-espanhola estava tão baixa que isso até afetou o bloqueio naval. No fim de 1782, uma frota britânica atravessou o bloqueio sem sofrer qualquer ataque e desembarcou mais tropas e suprimentos.
 
O rei espanhol Carlos III queria muito recuperar Gibraltar, mas até mesmo o seu ministro de relações exteriores, o conde de Floridablanca, o aconselhou a desistir da empreitada militar e assinar o acordo de paz. Em 1783, o tratado de paz foi assinado e Gibraltar está sob controle britânico até hoje. Já a Espanha obteve o controle de Minorca e da Flórida. Terminava a Guerra de Independência Americana.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:



As Maiores Batalhas e Guerras da História - A Batalha de Saratoga

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Batalha de Saratoga

(1777)

Americanos recebendo a rendição das forças inglesas após a batalha.
 
Facções: EUA (Horatio Gates) x Império Britânico (John Burgoyne).

Forças: 15000 americanos x 7200 britânicos.

Perdas: Americanos: 90 mortos e 240 feridos; Britânicos: 440 mortos, 695 feridos e 6222 capturados.

Resultado: Ferrenha Vitória Britânica (Primeira Parte); Decisiva Vitória Americana e Rendição dos Ingleses (Segunda Parte).

Local: Condado de Saratoga, Estado de Nova York.

Setas Vermelhas (Avanços Britânicos); Seta Pontilhada Azul (Retirada Americana); Cruzes Pretas (Partes da Batalha).
 
A Batalha: Após a jogada ousada e bem sucedida de George Washington em Trenton no ano anterior, os britânicos decidiram esmagar essa revolta americana de uma vez por todas. O general inglês, John Burgoyne criou um plano esmagador: três exércitos ingleses iriam marchar até Albany, capital do Estado de Nova York e se posicionar no Rio Hudson para confrontar os rebeldes americanos numa batalha decisiva. Se vencesse os rebeldes, o Estado da Nova Inglaterra, considerada como o coração da revolta, ficaria isolada e se renderia para o Império Britânico.
 
O principal exército britânico era formado por 6000 britânicos, 1000 mercenários alemães e 200 indígenas de Montreal. Capturou o forte de Ticonderoga, com poucas baixas e marchou até o lago Champlain onde acamapou. Lá, o exército de Burgoyne deveria atravessar uma região pantanosa e cerrada de mais de 32 km de distância para alcançar Albany. Para piorar, os americanos colocaram várias barreiras e armadilhas pelo caminho para atrasar os britânicos. A tropa de Burgoyne fez a travessia do pântano por 20 dias e nenhum incidente ocorreu. Seu único obstáculo que restava para Albany era o Rio Hudson.
 
Porém, o plano de Burgoyne para aniquilar os rebeldes acabou fracassando quando os outros dois exércitos britânicos não puderam apoiar a ofensiva. O primeiro era comandado por William Howe, que era rival de Burgoyne e decidiu não seguir suas ordens e partiu para conquistar a Filadéfia (capital dos rebeldes). O outro exército, comandado por Barry Saint Leger, tentou apoiar a operação mas ficou detido num longo cerco no Forte Stanwix, a oeste de Nova York.
 
Ignorando a perda de apoio dos outros exércitos, Burgoyne decidiu resumir sua campanha sozinho. Seria um grave erro. Quando alcançou os arredores de Albany, Burgoyne se deparou com um exército de 10.000 americanos, liderados pelo general Horatio Gates, numa pequena fazenda chamada de Freeman.
 
Burgoyne despachou seus 1000 mercenários com mais 500 soldados para testar as defesas americanas. O ataque foi brutalmente repelido pelas forças americanas. Mesmo impressionado, Burgoyne mobilizou todo o seu exército e atacou os americanos. Estes estavam entricheirados atrás de uma longa cerca-viva e causaram grandes baixas para os britânicos. No fim do dia Burgoyne perdeu 200 homens e outros 300 ficaram feridos. Já Horatio perdeu 40 homens e 140 ficaram incapacitados. No dia seguinte os americanos abandonaram Albany e se posicionaram em Saratoga. Burgoyne ocupou a capital, seu principal objetivo, mas decidiu perseguir os americanos.
 
Depois de várias semanas de marcha, Burgoyne alcançou os americanos em Saratoga e novamente despachou seus mercenários com os indígenas para testar as defesas americanas. Porém, os americanos receberam reforços e tinham quase 15.000 homens contra os britânicos. A tropa avançada de Burgoyne acabou sendo surpreendida e destruída pelos americanos que logo se lançaram num enorme ataque. O ataque foi devastador e a principal linha britânica foi rompida. Com enormes baixas, Burgoyne recuou para Albany. Mas, os americanos não perderam tempo e perseguiram o general inglês.
 
Cansado e sem recursos, Bugoyne rendu todo o seu exército nas proximidades de Albany. Com essa horrível derrota, a Inglaterra acabaria entrando numa segunda frente de batalha, quando a França finalmente decidiu apoiar a causa americana. A guerra teria seu fim em 1783, com o reconhecimento da independência americana no Tratado de Paris pelo Império Britânico.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:



Terror no Espaço - Curiosidades (Alien: A Ressureição)

 

Porque o Chestburster de Purvis demorou tanto para eclodir?

Isso que eu chamo de uma baita dor de cabeça!!!
 

No filme Alien: A Ressureição (1997) há um personagem chamado Purvis. Ele era membro de um transporte colonial que acabou sendo abduzido por piratas e levado com mais 19 colonos para a Auriga, uma imensa nave de pesquisas dos Fuzileiros Coloniais. Lá, ele foi vítima da produção de aliens clonados pelos fuzileiros. Após a infecção, 19 aliens foram produzidos, mas Purvis não mostrava sinais que daria a luz ao alien dentro dele. Os cientistas ficaram intrigados e descobriram que Purvis havia contraído uma doença antes da abdução. Por causa dessa doença, o alien dentro de Purvis demorou mais para se desenvolver e acabou entrando em hibernação.

Depois da fuga dos aliens pela nave, Purvis foi encontrado pelos sobreviventes da Betty e por Ripley que rapidamente sentiu a presença do alien em Purvis. Após um árduo debate, os sobreviventes decidem levar Purvis junto numa tentativa de salvá-lo, com a remorsão do embrião alienígena.
 
Após várias batalhas contra os aliens, Purvis e os piratas alcançam a Betty, mas são emboscados pelo cientista Wren. Este atira em Purvis, quando este já estava quase sendo congelado para a longa viajem, e faz Call, a androide, como refém. Porém, Wren é surpreendido por um Purvis "zumbificado" que corre até o cientista e o mata usando o próprio alien dentro de si para perfurar a cabeça do cientista. Após tal ato, os piratas fuzilam o alien e Purvis finalmente morre como um "herói".
 
O tiro que Wren fez em Purvis pode ter acordado o alien dentro do coitado e o motivado a finalmente ignorar a doença e tentar escapar para o novo mundo. Essa é a melhor explicação que existe sobre tal caso raro.
 

Bibliografia:

  •  Xenopedia - The Alien vs Predator Wikia - Larry Purvis (página em inglês).


As Maiores Batalhas e Guerras da História - A Batalha de Trenton

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Batalha de Trenton

(1776)

Tropas americanas expulsam mercenários alemães de Trenton, Nova Jersey.
 
Facções: Estados Unidos (George Washington) x Mercenários alemães (Johann Rall).

Forças: 2400 americanos e 18 canhões x 1500 alemães e 6 canhões.

Perdas: Americanos: 2 mortos e 5 feridos; Alemães: 22 mortos, 83 feridos e 900 capturados.

Resultado: Decisiva Vitória Americana.

Local: Trenton, Nova Jersey, EUA.

Seta Verde (Avanço Alemão); Seta Azul (Avanço Americano); Cruz Preta (Local da Batalha).
 
A Batalha: A Guerra de Independência Americana começou em 1775 quando tropas da milícia americana atacaram os casacas vermelhas (soldados britânicos) em Lexington Green e em Concord Bridge. De início a guerra se concentrou na região de Boston, na Nova Inglaterra, mas acabou se expandindo quando o Congresso Continental nomeou George Washington como comandante em chefe da milícia americana. Nascido na Virgínia, Washington trouxe um senso de unidade intercolonial as forças americanas, graças aos fundamentos ideológicos de Thomas Paine e da Declaração de Independência escrita por Thomas Jefferson.
 
No final de 1776, George Washington enviou uma carta ao congresso dizendo que se nada de novo fosse feito, a guerra estaria terminada. Washington abandonou Nova York para os ingleses, foi ferozmente perseguido pelo Estado de Nova Jersey e ele só possuía 4000 homens para continuar a guerra.
 
Porém, o exército britânico possuía um forte ponto fraco: mercenários alemães. Mesmo bem treinados e armados, esses soldados não lutavam do mesmo modo que os britânicos e adoravam saquear as cidades do que entrar em combate. Quando o inverno chegou, os ingleses se retiraram para seus alojamentos fortificados em Nova York e deixaram mais de 4000 alemães vigiando Washington  e seu punhado de milicianos no Rio Delaware.
 
Nos últimos dias do ano, a situação americana era desesperadora. A maioria dos milicianos de Washington já estavam fazendo suas malas, pois o alistamento temporário do Congresso terminava em 1777. Vendo a situação só piorar, Washington decidiu usar o que tinha num ousado contra-ataque. Seu plano consistia na travessia do Rio Delaware e surpreender os mercenários alemães acampados em Trenton, no dia após o Natal.
 
A travessia americana pelo Delaware ficou famosa com a pintura do artista Jonathan Trumbull. Porém, a travessia acabou sendo desnecessária para o resto da força, pois havia um caminho mais fácil de percorrer e contornar do que atravessar o rio.
 
Washington alcançou Trenton ao anoitecer do dia 26 de Dezembro com 2400 homens. Já os 1500 alemães que ocupavam a vila, estavam dormindo após uma enorme festa de Natal. Washington dividiu sua tropa em duas e posicionou seus 18 canhões no topo de um morro próximo. Quando os primeiros tiros foram disparados, os alemães tentaram defender suas posições com só 6 canhões, mas a artilharia americana e os ataques pelos flancos derrubaram as defesas alemãs. Toda a batalha durou só 20 minutos! Pelo resto do dia, os americanos foram aprisionando centenas de mercenários desesperados e confusos. Após essa desigual e decisiva vitória, os americanos puderam salvar sua independência e iniciar um longo e árduo avanço para a expulsão dos ingleses de suas terras.
 
Nao há curiosidades.
 

Bibliografia: