As Maiores Batalhas e Guerras da História - Zulus

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra Zulu

(1879)

Tropas britânicas resistem a um brutal ataque Zulu na África do Sul.
 
Facções: Império Britânico (PM Earl de Beaconsfield) x Reino Zulu (Rei Cetshwayo kaMpande).
 
Forças: Britânicos: 41.000 soldados, 27 canhões, 3 Metralhadoras Gatling e um Lança-Foguetes x Zulus: 35.000 guerreiros.
 
Perdas: Britânicos: 2.158 mortos e feridos x Zulus: 6.930 mortos e feridos.
 
Resultado: Vitória Britânica; Anexação inglesa do Reino Zulu.
 
Local: África do Sul.
 
Área Verde (Reino Zulu); Seta Azul Escuro (Primeira Invasão Inglesa); Seta Verde (Contra-ataque Zulu); Cruz Verde (Vitória Zulu); Seta Cinza (Segunda Invasão Inglesa); Cruz Cinza (Vitória Inglesa).
 
A Guerra: Em 1879, o exército britânico era a força militar mais formidável do mundo. Porém, na África do Sul, os britânicos enfrentariam os mais corajosos e poderosos adversários de toda a sua história: os Zulus.
 
O Reino Zulu surgiu em 1816 e foi fundado pelo rei Shaka. O rei modificou seu exército: os guerreiros não mais lançavam dardos, mas sim usavam lanças e longos escudos de couro para combate. Os Zulus tentaram expandir seu reino para o interior, mas foram derrotados pelos bôeres, colonos descendentes dos holandeses, na Batalha do Rio de Sangue em 1838. Depois desse fracasso, os Zulus retornaram para seu reino e ficariam em paz por mais de 40 anos até a chegada dos britânicos. Em 1877, os ingleses chegaram e anexaram a região Transvaal dos bôeres. Mas, acabaram virando o mais novo "problema" dos Zulus.
 
Arrogantes e acreditando que os Zulus eram como qualquer outra tribo que já enfrentaram na África, os ingleses ordenaram que o Reino Zulu fosse imediatamente anexado ao Império Britânico. O rei zulu da época, Cetewayo, ignorou a ordem dos ingleses e mobilizou seu exército. Como retaliação pela desobediência, os ingleses invadiram o Reino Zulu com 3.000 homens em 1879. Assim começava a guerra.
 
A primeira batalha ocorreu em Isandlwana, onde os zulus cercaram uma das três colunas britânicas que haviam invadido seu reino. A batalha foi brutal, mas no fim do dia, os zulus dizimaram a coluna inteira e avançaram contra as outras duas colunas.
 
Durante o avanço dos zulus, estes se depararam contra um posto avançado britânico na fronteira e decidiram destruí-lo para cortar as linhas de suprimentos dos ingleses. A base britânica acabou destruída, mas a ousada resistência da guarnição mostrou aos zulus que os britânicos eram guerreiros corajosos. Recebendo horríveis notícias da guerra contra os zulus, o Império Britânico despachou mais tropas para esmagar essa temível tribo. Entre esses soldados estava Luis J. J. Bonaparte, filho de Napoleão III, que acabou morto por uma lança zulu quando sua tropa foi emboscada na fronteira. A situação parecia críttica para os ingleses.
 
As duas colunas britânicas chegaram perto da capital do Reino Zulu, mas acabaram sendo derrotadas nas batalhas de Esghowe e Kambula, forçando os sobreviventes a recuarem para o seu território. Algumas semanas depois, os ingleses invadiram de novo o Reino Zulu e obtiveram uma decisiva vitória na batalha de Ulandi. Durante a sangrenta batalha, o rei Cetewayo conseguiu escapar, mas acabou sendo capturado por uma patrulha britânica dias depois. Todo o exército zulu foi destruído em Ulandi. Não tendo escolha, Cetewayo assinou um acordo de paz e em 1887, os ingleses anexaram o Reino Zulu ao seu império africano.
 

Curiosidades:

  • Há somente dois filmes sobre a Guerra Zulu: Zulu (1964) e Zulu Dawn (1979) ambas focadas nas principais batalhas onde os britânicos sofreram suas maiores derrotas.
 
  • Essa foi a primeira vez que uma tribo africana desafiava por igual um país europeu. Alguns anos depois, a Itália invadiria a Etiópia e seria humilhada pelo reino etíope que se inspirou nos zulus sobre resistir contra o colonizador europeu.
 
  • Os zulus também usaram armas de fogo contra os ingleses, mas só os membros da guarda real é que realmente usavam tal armamento.
 

Bibliografia:




As Maiores Batalhas e Guerras da História - Afeganistão II

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Segunda Guerra Afegã

(1878-1880)

Tropas britânicas avançam pela cidade de Kandahar contra as tribos afegãs durante a guerra.
 
Facções: Emirado do Afeganistão (Sher Ali Khan) x Império Britânico (Samuel Browne).
 
Forças: Desconhecidas.
 
Perdas: Afegãos: 5.000 mortos e feridos x Ingleses e Indianos: 9.850 mortos e feridos.
 
Resultado: Vitória Política Britânica; Retirada britânica do Afeganistão; Estabelecimento da Província de Durand (Sul do Afeganistão).
 
Local: Afeganistão.
 
Setas Vermelhas (Invasões Anglo-Indianas) e Linha Laranja (Limite do Avanço Anglo-Indiano; Linha Durand).
 
A Guerra: Em 1878, uma nova tensão entre Rússia e Inglaterra, iniciou uma Segunda Guerra pelo controle do Afeganistão. Alguns anos antes, em 1863, Sher Ali sucedeu seu pai Dost Mohammed como Emir do Afeganistão. A Rússia mobilizou suas tropas nas fronteiras do norte do Emirado e enviou representantes para Sher Ali. A Inglaterra, com a Índia, tentou fazer a mesma coisa, mas acabou barrada por tropas afegãs no Passo Khyber. A Inglaterra exigiu um pedido de desculpas, mas Sher Ali os ignorou. Dias depois, a Inglaterra invadia o país uma segunda vez.
 
Assustado por essa nova invasão, Sher Ali abandonou Cabul e fugiu para o norte pedindo ajuda para os russos. Porém, o Império Russo não fez nada e Sher Ali cometeu suicídio em Mazar-i-Sharif, indignado pela falta de apoio de seus aliados russos. Seu filho, Yakub Khan, fez um acordo com os birtânicos e entregou o controle do Passo Khyber para eles como forma de desculpa pelo incidente. Mas, os ingleses cometeram o mesmo erro da guerra anterior e acabaram presos num longo e violento conflito com as tribos locais que controlavam a região do Khyber.
 
Em 1879, representantes britânicos enviados para Cabul, foram emboscados e mortos por membros de tribos locais que odiavam os britânicos em suas terras. Considerando tal incidente como um insulto diante do acordo estabelecido, o Império Britânico invadiu o Afeganistão com três enormes exércitos. Cabul e Kandahar caíram rapidamente e Yakub Khan foi forçado a se exilar. Como retaliação, doze tribos afegãs se uniram, lideradas pelo primo de Yakub Khan, Sirdar Abdur Rahman, contra as tropas britânicas.
 
Sirdar iniciou sua marcha para o sul pelo Rio Oxus na fronteira com a Rússia. Se aproximando da capital, os britânicos abandonaram Cabul. Após essa rápida vitória afegã, os britânicos queriam um novo acordo com Sirdar. Ele aceitou e a paz retornou para o emirado. Amado pelos líderes tribais, Sirdar uniu a maioria da tribos num governo mais democrático e unificado do que antes. Foi uma enorme transformação para o Afeganistão. Em 1893, para evitar novas tensões com os ingleses, Sirdar entregaria todo o sul do Afeganistão para os britânicos e estes controlariam a região até 1919, quando um novo acordo seria estabelecido e o Afeganistão se tornaria uma nação própria e sem influência externa por muitos anos.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:




Terror no Espaço - Curiosidades (Alien 3)

 

Como o Ovo Alien foi parar na Sulaco?

Não lembro de ter comido ovo no café da manhã!
 
Por causa do roteiro caótico que foi o Alien 3, ninguém da produção soube explicar ou responder como esse ovo foi parar na nave e quem o colocou aí. Mas, existem quatro teorias sobre esse tema tão estranho. Vamos ve-los:
 

Teoria 1:

A primeira teoria é bem simples. A Rainha, após o ataque de Ripley no ninho, pode ter pego um ovo entre todos os outros que estavam queimando e o escondido numa "bolsa" no seu peito. Porém, há uma contradição. A Rainha é tão grande que ela não conseguiria esconder o ovo num lugar tão oculto como na imagem acima. Também, ela causaria bastante barulho chamando a atenção dos humanos na nave. Por isso que existe uma segunda versão dessa teoria. Essa nova versão fala que a Rainha, em ocasiões especiais, produziria um facehugger e o colocaria, junto com o ovo nas suas costas. Assim, ficaria mais fácil a criatura esconder o ovo. Mas, como já era esperado, outra contradição surgiu. O facehugger não tem força suficiente para carregar ou esconder o ovo. Com isso, essa teoria acabou sendo deixada de lado para algo mais interessante.
 

Teoria 2:

Essa é bem melhor que a anterior. Bishop, o androide que ajudou Ripley a resgatar Newt pode ter sido forçado por um comando secreto da Companhia em trazer um espécime. Ele aproveitou que Ripley estaria distraída, pegaria um ovo qualquer e o esconderia na Sulaco. Porém, há outra controvérsia nessa teoria. Bishop não tinha como pousar no Reator, pois este estava prestes a explodir. Mesmo que conseguisse pousar, Bishop não teria tempo suficiente para pegar um ovo, leva-lo até a Sulaco, esconde-lo de Ripley e voltar para pegá-la. Infelizmente, mesmo sendo uma teoria bem interessante, ela acaba sendo deixada de lado por alguns meros detalhes. Vamos para a próxima!
 

Teoria 3:

Essa vem da expansão do jogo "Aliens: Colonial Marines - Stasis Interrupted". Após os eventos do segundo filme, a Companhia despachou uma nave de pesquisa chamada de Legato para buscar novos espécimes (poderiam ter feito isso antes né!). A Legato aterrissou perto da Nave Alien e coletou centenas de ovos. Depois, foi despachada para localizar e abordar a Sulaco, que estava orbitando o planeta prisional de Fiorina 161. Horas depois de deixar LV-426, a Legato localizou a Sulaco e a abordou. Mas, os ovos acabaram eclodindo mais cedo do que o esperando e metade da tripulação acabou infectada. Muitos aliens nasceram e até alguns entraram na Sulaco. Essa teoria diz que esses aliens abordaram a nave e trouxeram alguns ovos com eles. Foi durante essa invasão que um dos ovos eclodiu e Ripley acabou infectada. Mesmo sendo interessante esse conceito, a teoria é fraca comparada com as outras, pois você não vê nenhum alien levando ovo algum para a Sulaco e Ripley já aparece com o facehugger no rosto antes mesmo da invasão. Então acabamos chegando em outro beco sem saída. Vamos para a última teoria!
 

Teoria 4:

Essa pode se tornar realidade se o filme de Neil Blomkamp for feito. A última teoria diz que todo o evento do terceiro filme, mais o evento do quarto filme, foi tudo um longo pesadelo do trauma que Ripley teve com os Aliens. Ela ainda estaria, junto com Hicks, Newt e Bishop, vagando pelo espaço e retornando para a Terra. É uma teoria bem simples, mas que pode realmente acontecer se o filme do Alien de Blomkamp for aprovado pela Fox. Vamos torcer para que isso ocorra!
 

Bibliografia:

  • Informações retiradas do blog AVPGalaxy.

As Maiores Batalhas e Guerras da História - França

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra Franco-Prussiana

(1870-1871)

Tropas francesas e prussianas se enfrentam em Bapaume na França.
 
Facções: Confederação Alemã (Guilherme I) x Segundo Império Francês (Napoleão III).
 
Forças: Prussianos: 1.400.400 homens x Franceses: 2.000.700 homens.
 
Perdas: Prussianos: 144.600 mortos e feridos x Franceses: 756.200 mortos e feridos.
 
Resultado: Vitória Prussiana; Queda do Segundo Império Francês; Formação da Terceira República Francesa; Confederação Alemã se torna o Império Alemão; Tratado de Frankfurt; Prussianos anexam as regiões francesas da Alsácia e da Lorena.
 
Local: França e na Província do Reno.
 
Área Vermelha (Confederação Alemã); Área Azul (Império Francês); Seta Vermelha (Invasão Prussiana); Linha Laranja (Limite do Avanço Prussiano).
 
A Guerra: Em 1870, dois grandes rivais europeus se viram numa iminente guerra pelo trono espanhol: França e Prússia. Quando a França descobriu os planos da Prússia de anexar a Espanha para sua Confederação Alemã, os franceses imediatamente se mobilizaram para conter essa nova ameaça. A França até tentou a diplomacia com Guilherme I, mas este ignorou os conselhos do embaixador francês e o mandou embora. Se aproveitando do ocorrido, o chanceler Otto von Bismarck editou uma falsa notícia de que o kaiser foi muito rude ao embaixador francês. Quando a notícia chegou na França, a população já queria uma guerra e a destruição da Prússia por tal ato. Caindo nas manipulações de Bismarck, Napoleão III, imperador francês, declarou guerra à Prússia em 19 Julho de 1870, um grave erro que levaria a França a uma de suas maiores humilhações militares da História.
 
Logo de imediato, três exércitos prussianos invadiram pelo leste da França e rapidamente rumaram para Paris. Os franceses só possuíam um exército na região e este foi pego de surpresa pela rápida invasão prussiana. Mesmo com uma ousada e heróica defesa na Batalha de Gravelotte, 18 de Agosto, os franceses recuaram para a fortaleza de Metz e tentaram parar o avanço prussiano lá. Porém, os prussianos estavam muito bem equipados com morteiros de cerco e em 54 dias tomaram Metz e renderam todo o exército francês do leste.
 
Em 1 de Setembro, Napoleão III reuniu 100.000 homens e marchou para Sedan, numa nova tentativa de deter o avanço prussiano. A batalha foi um desastre total para a França. Não só 20.000 franceses morreram como os outros 80.000 se renderam no dia seguinte, junto com o seu imperador.
 
Com a queda de Napoleão III, o conselho de Paris dissolveu o Segundo Império Francês e estabeleceu a Terceira República Francesa. Após uma árdua votação foi decidido continuar com a guerra. Em 19 de Setembro, dois exércitos prussianos cercaram Paris e a cidade resistiu até 28 de Janeiro de 1871 quando a fome começou a assolar a população local. No mesmo dia a capital se rendeu.
 
Já na Alemanha, Bismarck e Guilherme I declaravam o fim da Confederação Alemã e o início do glorioso Império Alemão (Primeiro Reich). A declaração foi feita, para humilhar os franceses, nos salões de Versalhes. Era pela primeira vez na história alemã desde o Sacro Império Romano que todos os ducados alemães haviam se juntado em um único governo.
 
Em 10 de Maio de 1871, a França assinava o Tratado de Frankfurt e entregava as províncias industriais da Alsácia e da Lorena para os alemães. Também foi forçada a pagar mais de cinco milhões de francos pelos danos causados durante a guerra.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:





As Maiores Guerras e Batalhas da História - Áustria

 

As Maiores Guerras e Batalhas da História

A Guerra Austro-Prussiana

(1866)

Forças prussianas avançam pelo norte do Império Austríaco.
 
Facções: Império Prussiano (Kaiser Guilherme I) e Reino Italiano (Victor Emmanuel II) x Império Austríaco (Imperador Franz Joseph I).

Forças: 637.262 soldados prussianos e italianos x 517.123 soldados austríacos.

Perdas: Prussianos e Italianos: 39.990 mortos e feridos x Austríacos: 132.414 mortos e feridos.

Resultado: Vitória Prussiana-Italiana; Prússia anexa todas as províncias do norte Austríaco; Itália anexa Veneza da Áustria; Formação da Confederação Alemã; Formação do Império Austro-Húngaro.

Local: Alemanha, Áustria, Itália e Mar Adriático.

Área Vermelha (Império Austríaco); Setas Marrons (Invasão Prussiana); Seta Verde (Invasão Italiana).
 
A Guerra: Em 1866, a Alemanha continuava dividida entre Áustria e Prússia. A questão era: quem dominaria a Europa Central?
 
Desde a derrota de Napoleão I em 1815, a Áustria tinha total influência política nos pequenos reinos alemães. Liderados pelo primeiro-ministro Klemmens von Metternich, espiões austríacos se infiltravam nesses reinos e começavam a espalhar ideias mais liberais e nacionalistas, algo que Napoleão tentou fazer anos atrás.
 
Em 1862, Otto von Bismarck se tornou chanceler do Império Prussiano. Em 29 de setembro, Bismarck fez um discurso que entrou para a História: "A grande questão do momento não será resolvida com discursos e decisões da maioria... mas com ferro e sangue." A grande questão no momento era a unificação definitiva da Alemanha e quem a controlaria: Áustria ou Prússia.
 
Bismarck primeiramente convenceu o kaiser Guilherme I da Prússia a aumentar o exército. O chanceler estudou as táticas usadas na Guerra da Criméia e concluiu que planejamento, transporte e comunicação eram as táticas necessárias para vencer qualquer guerra do século XIX. Foi responsável em criar o primeiro Estado-Maior da História. Essa organização militar era formada pelos melhores generais e oficiais capazes de liderar diversas campanhas ao mesmo tempo e com grande eficiência militar. Bismarck também estendeu as estradas de ferro e as linhas telegráficas, conectando Berlim com todas as bases militares da Prússia.
 
Seguindo as direções de Bismarck, tropas prussianas entraram e ocuparam, sem luta, o ducado de Holstein, controlado pela Áustria a mais de 2 anos. Caindo na armadilha prussiana, os Habsburgos, declararam guerra contra a Prússia e acreditavam que iriam facilmente vencer os seus rivais sem perceber que estes evoluíram suas formas de combate para um novo patamar. Seria um desastre para a Áustria.
 
A guerra durou só sete semanas e seu clímax foi na Batalha de Sadowa em 3 de julho de 1866. De início os austríacos haviam rompido as linhas prussianas e se aproximavam do comando de Bismarck, que pensou em se matar, mas com a chegada de novos reforços, os prussianos viraram a luta a seu favor e aniquilaram o exército austríaco na batalha. Em 23 de agosto, a Áustria assinava um acordo de paz com a Prússia (Tratado de Praga) e entregava todos os seus territórios do norte para a Prússia, chamada agora de Confederação Alemã. Também entregava a região de Veneza para os italianos, quando estes invadiram o local durante a guerra. A única vitória para a Áustria foi a anexação do Reino da Hungria, transformando o Império Austríaco no famoso Império Austro-Húngaro.
 
Com a Áustria fora do caminho e a Alemanha começando a se unificar, Bismarck então, mirou para seu próximo alvo: a França de Napoleão III.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:



As Maiores Batalhas e Guerras da História - Paraguai

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra do Paraguai

(1864-1870)

A Batalha Naval de Riachuelo - A maior vitória do Brasil em toda a guerra.
 
Facções: Paraguai (Solano López) x Brasil (Dom Pedro II), Argentina (Bartolomé Mitre) e Uruguai (Venancio Flores).

Forças: 150.000 paraguaios x 235.583 soldados aliados.

Perdas: Paraguai: 300.000 militares e civis feridos e mortos x Tríplice Aliança: 71.000 mortos e feridos.

Resultado: Vitória da Tríplice Aliança.

Local: Paraguai, Argentina e Brasil.

Setas Vermelhas (Invasões Paraguaias); Áreas Laranjas (Limites das Invasões Paraguaias); Seta Azul (Invasão Aliada); Setas Azuis Claras (Últimos Avanços Aliados).
 
A Guerra: Desde sua independência em 1811, o Paraguai estava prosperando economicamente e politicamente na América Latina. Foi o primeiro país latino a acabar de vez com o analfabetismo e também com a escravidão. Várias fábricas de armas e siderúgicas foram construídas por boa parte da nação. As estradas de ferro eram avançadas e a telegrafia instalada nas principais cidades do país. Além do mais, o exército paraguaio era o mais bem preparado e armado de toda a América Latina, mesmo sendo pequeno.
 
Em 1862, Solano Francisco López assumiu a presidência do país e iniciou uma campanha para expandir o território paraguaio. O principal objetivo territorial do Paraguai era de ter acesso ao Rio Prata para poder fazer seu comércio se tornar internacional. Porém, Brasil, Argentina e Uruguai eram contra tal ideia.
 
De início, Solano López tentou usar a diplomacia para fazer um acordo territorial com o Brasil. Mas, o governo imperial não aceitou o acordo de López. Em 1864, o Brasil invadiu o Uruguai para derrubar o governo de Anastásio Aguirre, pois tropas uruguaias leais a Aguirre atacaram algumas fazendas gaúchas no território brasileiro. Para Solano López, que apoiava Aguirre, foi a gota d'água. Imediatamente, a pequena marinha paraguaia cercou e abordou o navio brasileiro "Marquês de Olinda" no Rio Paraguai e declarou guerra ao Brasil. No final de 1864 até o início de 1865, o Paraguai invadiu o Mato Grosso e o Rio Grande do Sul e obteve várias vitórias contra as tropas brasileiras.
 
Em 1 de maio de 1865, Brasil, Argentina e Uruguai criaram a Tríplice Aliança para acabar com a ameaça paraguaia. No Brasil foi criada a unidade militar "voluntários da pátria" formada por soldados da classe baixa e ex-escravos que receberiam uma "vida boa" após a guerra.  A Aliança conseguiu reunir uma força de 27.000 homens (18.000 brasileiros) para retomar os territórios perdidos no início da guerra. A primeira grande vitória dos aliados foi durante a brutal Batalha Naval de Riachuelo, onde toda a marinha paraguaia foi destruída pelas forças navais aliadas num único dia de combate. Em 18 de setembro, as tropas paraguaias que haviam invadido o Rio Grande do Sul foram derrotadas e capturadas em Uruguaiana diante do Imperador Dom Pedro II.
 
Perdendo seus melhores soldados, o Paraguai retirou suas tropas do Mato Grosso e posicionou seu exército nas principais fortalezas que protegiam a estrada para Assunção. Em 1866, os argentinos invadiram de início o Paraguai e encontraram uma defesa poderosa e determinada. Sofrendo grandes baixas, os argentinos pediram ajuda aos brasileiros e estes começaram a ocupar uma a uma as fortalezas paraguaias. Porém, em 1867, os aliados foram detidos pela formidável fortaleza de Humaitá e os brasileiros sofreram sua pior derrota da guerra em Curupaiti. Era o início de um longo e exaustivo cerco.
 
De Julho até Dezembro de 1868, sob o comando do famoso Duque de Caxias e do Marechal Osório, o exército brasileiro finalmente tomou Humaitá e fez um avanço avassalador pelo Chaco até Assunção. Pelo caminho, os brasileiros obtiveram várias vitórias grandiosas e esmagaram as melhores tropas que o Paraguai ainda possuía. Essa campanha ficou conhecida como a "Dezembrada". Em Janeiro de 1869, os aliados entraram na capital paraguaia e declararam o fim da guerra. Porém, Solano López e o que restava de seu exército escapou para o leste montanhoso e decidiu continuar com a guerra. Pelo resto de 1869 até Fevereiro de 1870, o exército brasileiro avançou para o leste e enfrentou uma fanática resistência paraguaia que só terminaria em março de 1870 com a morte do líder Solano López em Cerro Corá. A guerra finalmente chegava ao fim.
 
O Paraguai, após a guerra, teve perda de mais de 20% da população civil. Mas, estudos recentes mostraram que as perdas foram muito maiores do que se realmente sabe. Já o exército brasileiro ganhou respeito e prestígio pela região e acabou se envolvendo ainda mais com a política imperialista, que acabaria levando ao fim do império e ao início da República.
 

Curiosidades:

  •  A Guerra do Paraguai foi o maior e mais longo conflito armado da América Latina.
 
  • Foi nesse conflito que o Brasil usou pela primeira vez o balão como uma forma de guiar a sua artilharia contra as fortalezas inimigas. Já a Marinha Brasileira usou pela primeira vez navios couraçados.
 
  • A morte de Solano López foi interessante: no último dia da guerra, os brasileiros não tiveram dificuldade de localiza-lo entre sua tropa. Solano era o único homem gordo de sua comitiva. O resto estava doente e magro demais para continuar a luta.
 

Bibliografia:


Terror no Espaço - Curiosidades (Prometheus)

 

O que é a Gosma Preta?

 Eita coisa nojenta! Parece chocolate, mas não é! Deve dar uma baita dor de barriga!
 
 

A gosma preta que aparece no filme Prometheus é na verdade um acelerador genético. Seu verdadeiro objetivo é de transformar ou destruir outros seres vivos. Na lua de LV-223, os engenheiros criaram a gosma como uma arma biológica contra aqueles que eles lutavam ou que eram consideradas criações não perfeitas e que precisavam ser refeitas.

Porém, por algum vazamento desconhecido, a gosma escapou e infectou quase todos os engenheiros na lua. Todos sofreram mutações pesadas e horríveis e alguns ainda deram a luz algumas criaturas feitas a partir da gosma.

Qualquer ser vivo que entrar em contato com a gosma sofrerá uma morte instantânea, na forma de desintegração molecular, como ocorre com o engenheiro no início do filme, ou uma horrível mutação genética que transformará o infectado em algo mais selvagem e animalesco, como por exemplo Fifield.

Ainda é um mistério o porque os engenheiros desenvolveram algo tão perigoso e letal como a gosma preta. Talvez nunca descobriremos.

Bibliografia:

As Maiores Batalhas e Guerras da História - EUA

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra Civil Americana

(1861-1865)

Tropas unionistas (esquerda) enfrentam tropas confederadas (direita) pelo controle dos EUA.
 
Facções: EUA (Abraham Lincoln) x Confederação Americana (Jefferson Davis).
 
Forças: EUA: 2.200.000 homens x Confederação: 1.000.000 homens.
 
Perdas: EUA: 828.000 mortos e feridos x Confederação: 864.000 mortos e feridos.
 
Resultado: Vitória dos EUA; Confederação é dissolvida; União territorial americana é estabelecida; Escravidão é abolida; Início da Era da Reconstrução.
 
Local: EUA e Oceano Atlântico.
 
Área Azul (EUA); Área Vermelha (Confederação - 1861); Pontilhado Azul (Bloqueio Naval Unionista); Setas Vermelhas (Ofensivas Confederadas); Setas Azuis (Primeiras Ofensivas Unionistas); Setas Azuis Claras (Últimas Ofensivas Unionistas); Área Laranja (Confederação - 1865).
 
A Guerra: A Guerra Civil Americana foi a mais brutal guerra interna dos EUA e o último grande conflito armado dentro do território americano, que levaria a unifiação definitiva dos EUA e o fim da escravidão na grande nação republicana. Também ficou conhecida como a Guerra de Secessão.
 
A guerra teve início em abril de 1861 quando tropas confederadas bombardearam o Forte Sumter, em Charleston, na Carolina do Sul. A Confederação era formada por 11 estados escravagistas e lutaram contra o resto dos Estados Unidos. Os dois principais motivos da guerra foram: a união definitiva dos EUA e o fim da escravidão.
 
Os EUA tinham a maioria da população em seus estados, toda a capacidade industrial do território americano e riquezas nacionais quase infinitas. Já a Confederação possuía soldados veteranos e muito bem treinados e seus estados produziam toda a lã do território americano para a Europa. Usando a lã como suborno, a Confederação acreditava que conseguiria um apoio militar da Inglaterra e da França. Porém, nenhuma das duas deu bola para o conflito e ficaram neutras em relação a crise americana.
 
Em 1861, a Confederação teve um início muito bom. Obteve uma grande vitória na Batalha de Bull Run e depois derrotou uma invasão unionista na Virgínia que ficou conhecida como a Batalha dos Sete Dias. Mas, a União também obteve vitórias importantes com a captura de dois fortes confederados. Porém, acabou entrando num empate tático com a Confederação na Batalha de Shiloh.
 
Em 1862, a Confederação sabia muito bem que perderia a guerra se não dominasse logo Washington D.C., pois a União tinha uma enorme indústria bélica e milhares de reservistas. Sob o comando de Robert E. Lee, a Confederação invadiu o norte, mas acabou derrotada na sangrenta Batalha de Antietam. Uma semana depois dessa derrota confederada, o presidente da União, Abraham Lincoln, fez a Proclamação da Emancipação, isso falava que todos os escravos estavam livres por todo o território americano.
 
Em 1863, Lee invadiu o norte de novo e quase conquistou Washington D.C., mas acabou brutalmente detido e derrotado na gigantesca e épica Batalha de Gettysburg. Com esse desastre total, a Confederação recuou para seu território e nunca mais ameaçaria o norte pelo resto da guerra.
 
Aproveitando a retirada confederada, a União lançou sua última invasão nos estados confederados. Primeiro invadiu a Virgínia onde cercou as cidades de Richmond (capital da Confederação) e Petersburg por dois anos (1864-65). Enquanto a maioria das tropas americanas se concentrava na Virgínia, uma pequena tropa de cavalaria avançou rapidamente pela Geórgia e conquistou Atlanta, a principal cidade industrial da Confederação.
 
 
Em abril de 1865, os confederados abandonaram Richmond e entregaram Petersburg para os unionistas. Porém, a União não perdeu tempo e perseguiu o exército confederado até o Tribunal de Appomattox, onde se rendeu. Outras tropas confederadas se renderam em Durham, na Carolina do Norte.
 
Infelizmente, Abraham Lincoln seria assassinado por um apoiador confederado, James Wilkes Booth, num teatro em Washington D.C. antes da guerra terminar. Após a guerra, os EUA se tornaram uma nação indivisível, mas que ainda sofreria algumas consequências negativas dela como por exemplo o racismo sobre os afro-americanos.
 

Curiosidades:

  •  Existem vários filmes sobre a Guerra Civil Americana. Os melhores são: E o Vento Levou (1939), Gettysburg (1993), Cold Mountain (2003), Lincoln (2012), 12 Anos de Escravidão (2013).
 
  • Também existem vários video games baseados no conflito. Eis alguns deles: The History Channel: Civil War – A Nation Divided (2006), History Civil War: Secret Missions (2008), Call of Juarez: Bound in Blood (2009) e Darkest of Days (2009).
 
  • Várias tecnologias inovadoras foram usadas no conflito como: o navio couraçado, o submarino, balões, o telégrafo e a metralhadora.
 

Bibliografia: