As Maiores Guerras e Batalhas da História - Balcãs

 

As Maiores Guerras e Batalhas da História

As Guerras Balcânicas

(1912-1913)

Retirada Turca após o combate em Monastir na Macedônia durante a Primeira Guerra Balcânica.
 
Facções: Primeira Guerra Balcânica: Império Otomano (Mehmed V) x Liga Balcânica (Bulgária na liderança); Segunda Guerra Balcânica: Bulgária (Ferdinando I) x Liga Balcânica (Sérvia no comando) e Império Otomano (Jovens Turcos).
 
Forças: Desconhecidas.
 
Perdas: Desconhecidas.
 
Resultado: Império Otomano perde seus territórios europeus, com exceção da região de Adrianópolis; Independência da Sérvia, Macedônia e Albânia; Norte da Grécia é libertado dos otomanos; Expansão búlgara é detida; Liga Balcânica é dissolvida; Grécia anexa a Macedônia.
 
Local: Balcãs.
 
Área Vermelha (Império Otomano); Setas Laranjas (Ataques Búlgaros); Cruzes Verdes (Revoltas contra os Otomanos); Setas Azuis (Ataques da Liga Balcânica contra a Bulgária); Seta Vermelha (Contra-Ataque Otomano).
 
As Guerras: Em 1912, boa parte dos Balcãs ainda continuavam controlados pelo Império Otomano e queriam se libertar desse domínio árabe na Europa. Com influência da Rússia Imperial, Sérvia, Montenegro, Bulgária e Grécia criaram em segredo a Liga Balcânica. A Liga acusou os otomanos de maltratarem os povos eslavos e gregos que ainda viviam dentro de seu império.
 
O sultão Mehmed V negou as acusações e ignorou as provocações da Liga. Ainda em 1912, a Liga mobilizou seus exércitos e teve início a Primeira Guerra Balcânica. Os gregos iniciaram o conflito cercando o exército turco na Salônica (norte da Grécia) que se rendeu após um curto cerco. Enquanto isso, os sérvios se rebelavam e avançavam para a Macedônia onde derrotaram os turcos em Kumanovov e em Monastir. Já os búlgaros atacaram pelo leste e derrotaram o pricipal exército turco em Kirk Kilissa e em Lule Burgas. Com essas derrotas, os otomanos sobreviventes recuaram para Constantinopla. Os búlgaros até tentaram tomar Adrianópolis, mas acabaram enfraquecidos pela falta de suprimentos e por causa do inverno. A guerra terminou em 3 de Dezembro de 1912 com os otomanos aceitando um armistício com a Liga.
 
Dentro do exército otomano, um grupo de oficiais conhecidos como os "Jovens Turcos" deram um golpe de estado no sultão e tomaram o poder para tentar sumir com a humilhação que seu Império sofreu nessa primeira guerra balcânica. Porém, mesmo sendo governado por esses oficiais, os otomanos perderam o controle de Adrianópolis em 3 de Março de 1913 por tropas búlgaras e sérvias. Dias depois, os otomanos assinavam outro tratado com a Liga Balcânica e entregavam Creta para os gregos.
 
Ainda em 1913, os "Jovens Turcos" romperam o Tratado de Londres e inciaram a Segunda Guerra Balcânica. Os turcos aproveitaram que os membros da Liga Balcânica estavam lutando entre si e retomaram Adrianópolis. Enquanto os turcos retomavam território perdido, a Sérvia liderava a Liga contra a Bulgária que queria se expandir ainda mais pelos Balcãs. Em 10 de Agosto, um novo tratado acabou assinado e a Bulgária entregou todas as suas conquistas militares para a Sérvia, Grécia e Montenegro. Já os turcos podiam manter Adrianópolis, mas toda a sua influência em território europeu havia acabado. O caminho para a Primeira Guerra Mundial estava aberto.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:




As Maiores Batalhas e Guerras da História - Manchúria

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra Russo-Japonesa

(1904-1905)

Tropas japonesas avançam contra o exército russo pelo controle da Manchúria.
 
Facções: Império Japonês (Imperador Meiji) x Império Russo (Imperador Nicolau II).
 
Forças: Japoneses: 1.200.000 homens x Russos: 1.360.000 homens.
 
Perdas: Japoneses: 86.000 mortos e feridos x Russos: 120.000 mortos e feridos.
 
Resultado: Vitória Japonesa; Tratado de Portsmouth.
 
Local: Manchúria, Mar Amarelo e Península Coreana.
 
Área Vermelha (Império Japonês); Área Azul (Império Russo); Setas Vermelhas (Ofensivas Japonesas); Setas Azuis (Contra-ataques Russos); Área Laranja (Limite do Avanço Japonês); Cruzes Pretas (Batalhas).
 
A Guerra: No início do século XX, muitos observadores do ocidente acreditavam que o Japão nunca chegaria ao poder bélico e político dos países europeus. Mas, tudo mudou quando o Japoão derrotou a Rússia na guerra que aconteceu entre ambas as nações. O Japão saiu do isolamento em 1853, quando navios americanos chegaram em seu litoral e forçaram o xogum a abrir seus portos para o ocidente. Em 1870, o Japão se tornava uma nação extremamente industrializada e com um exército numeroso e profissonal.
 
Em 1904, o Japão tentou convencer os russos a dividirem seus territórios na Manchúria com o Japão, para melhorar o comércio entre ambos os impérios. Os russos negaram qualquer acordo de divisão e em 6 de fevereiro, o embaixador japonês em São Petersburgo foi expulso da nação. Em 8 de fevereiro, navios japoneses afundaram dois navios russos em Chemulpo, Coréia, e cercaram a base naval de Porto Arthur na Manchúria, prendendo toda a frota russa no porto que acabou afundada por torpedos japoneses. Os navios restantes dos russos estavam ancorados em Vladivostok e não podiam deixar o porto por causa do gelo do rigoroso inverno russo.
 
Aproveitando sua enorme vantagem marítima, o Japão pôde enviar milhares de soldados para a Península Coreana e de lá para a Manchúria. Enfrentando pouca resistência de guerrilheiros coreanos, os japoneses alcançaram a fronteira do Império Russo em 1 de Maio. Em Setembro, os japoneses avançaram com uma enorme velocidade e cercaram os russos em Mukden e Porto Arthur. Os japoneses atacaram Mukden duas vezes seguidas, mas acabaram derrotados pelas fortalezas russas. Em Porto Arthur, os japoneses usavam morteiros gigantescos (200 mm) para destruir as defesas russas da base naval.
 
Depois de um longo cerco, Porto Arthur se rendeu em 2 de Janeiro de 1905. De 21 de Fevereiro até 10 de Março, russos e japoneses, ambos usando metralhadoras, sofreram imensas perdas, mas os russos conseguiram manter Mukden. Logo um feroz impasse surgiu na campanha terrestre.
 
Na metade de 1905, reforços navais russos finalmente chegaram para salvar o que restava de suas forças no extremo oriente. Porém, os russos estavam exaustos. Em 27 de Maio, a frota russa que rumava para Vladivostok  acabou atacada pela Marinha Japonesa na ilha de Tsushima. No dia 28 de Maio ocorreu a enorme Batalha Naval de Tsushima. A luta foi brutal, mas no fim do dia, todos os encouraçados russos estavam capturados e só três pequenos navios japoneses foram afundados.
 
Em 10 de Agosto de 1905, sob a mediação dos EUA, representantes da Rússia e do Japão se encontraram em Portsmouth para negociar a paz na região. Em 5 de Setembro, o Tratado de Portsmouth era assinado e com isso, a Rússia entregava a região sul da Ilha de Sacalina para o Japão. Também reconhecia o domínio japonês na Península Coreana, entregava total controle das terras na Manchúria ocupadas pelo Japão durante a guerra e devolvia o resto da Manchúria para a China, para evitar novos conflitos. Graças a esses enormes ganhos, o Japão se tornou a primeira nação asiática a ganhar respeito no mundo e a derrotar uma nação européia em conflito armado.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:



Terror no Espaço - Curiosidades (Alien: A Ressurreição)

 

O Que é o Newborn?

Eita coisa feia! Vai acabar quebrando um monte de espelho por aí!
 

O Newborn foi o primeiro híbrido alien/humano que surgiu em todo o Universo Alien. A criatura nasceu do saco de ovos da rainha clonada, abordo da nave de pesquisa Auriga. A criatura possui uma pele clara, dois olhos negros, uma boca cheia de dentes e com uma longa língua. É maior que qualquer outro alien, menos a rainha e muito poderoso. Ele perseguiu Ripley 8 pela Auriga e a emboscou abordo da Betty, a nave dos piratas. Lá, Ripley "seduziu" o monstro, que acreditava ser o "filho" de Ripley, por terem o mesmo DNA, e acabou sendo morto pela mesma quando rompeu o vidro da nave e o vácuo sugou a criatura para os confins do espaço.

A origem da criatura foi bem simples, por causa das tentativas de clonar Ripley, ainda carregando o embrião da rainha, o DNA de ambas acabou se dividindo e cada uma ganhou habilidades especiais que não possuíam. Ripley ganhou a velocidade, a força e a "telepatia" dos aliens, ao mesmo tempo a rainha clonada ganhava a habilidade de ficar grávida após colocar alguns ovos. Não se sabe ao certo como a rainha ficou grávida com tal criatura. Existem várias teorias: uma fala sobre experimentos genéticos feitos pela companhia, outra fala que um alien normal fecundou a rainha para criar um novo alien e existe uma versão mais absurda em que a rainha foi fecundada por um mero humano capturado no ninho para evoluir a espécie. Mas, de um modo geral, nunca saberemos a verdade.

 

O Newborn é um alien que saiu de um pesadelo. Não só possui um rosto humano, mas também tem mãos com dedos longos, mais de 3 metros de altura e é hemafrodita. Também não se sabe se a criatura iria mudar de pele e ficar maior do que antes. Pelo que é mostrado no filme, o Newborn é um mero filhote. Ainda sem saber onde está, a criatura é bastante curiosa com o ambiente local. A reação do alien ao ver Ripley pode significar duas coisas: ele vê Ripley como sua verdadeira mãe, por isso que o Newborn mata a Rainha Clonada ou vê Ripley como uma fêmea para se acasalar, como vemos na cena final do filme. Mesmo sendo bem feito e trabalhado pela equipe de produção, infelizmente o Newborn pode ser o alien mais pertubador e com o pior design já feito na franquia inteira.

Bibliografia:

As Maiores Batalhas e Guerras da História - San Juan

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Batalha de San Juan

(1898)

Coronel Theodore Roosevelt lidera o exército cubano-americano contra as defesas espanholas de San Juan.
 
Facções: EUA (William R. Shafter) x Reino da Espanha (Arsenio Linares y Pombo)
 
Forças: 8.400 cubanos-americanos x 800 espanhóis.
 
Perdas: Cubanos-Americanos: 1240 mortos e feridos x Espanhóis: 267 mortos e feridos.
 
Resultado: Vitória Cubana-Americana.
 
Local: Perto de Santiago, Sul de Cuba.
Área Vermelha (Defesas Espanholas); Seta Azul (Invasão Americana); Cruzes Verdes (Revoltas Cubanas contra os Espanhóis).
 
A Batalha: Essa foi a batalha que deu fama para Theodore Roosevelt, que se tornaria presidente dos EUA após a guerra contra a Espanha e também para os "Cavaleiros Valentes" da Primeira Cavalaria Voluntária na Colina de San Juan que defendia a entrada para Santiago de Cuba. Foi a batalha mais importante e decisiva da Guerra Hispano-Americana que só duraria três meses.

Quando a guerra começou, Roosevelt, um coronel do exército americano, recrutou homens do oeste e universitários que queriam lutar pelos direitos dos povos latino-americanos contra a Espanha. Esses voluntários seriam chamados de "Cavaleiros Valentes". Quando os americanos invadiram Cuba, a unidade de Roosevelt foi logo despachada para tomar a importante cidade de Santiago, no extremo sul da ilha. Depois de uma longa marcha, os cavaleiros de Roosevelt alcançaram as colinas que cercavam Santiago e se prepararam para enfrentar as fortes defesas espanholas. Se os espanhóis derrotassem essa tropa americana, não deteriam essa ofensiva como conseguiriam receber reforços do norte e repelir o resto da força invasora. Porém, o general espanhol Arsenio Linares só tinha 800 homens para defender as colinas contra mais de 8000 americanos.

Em 1 de Julho de 1898, a artilharia americana bombardeiou toda a colina de San Juan, onde os espanhóis estavam acampados. Acreditando terem obtido uma vitória rápida, a tropa de Roosevelt avançou de forma espalhada por campo aberto, mas não percebeu que os espanhóis ainda estava em suas posições após o bombardeio. Quando os espanhóis se levantaram de suas trincheiras, estes atiraram com uma poderosa rajada de rifles e mataram centenas de americanos nos primeiros minutos, causando uma enorme confusão no avanço. Para piorar, um balão de observação americano acabou derrubado pelos espanhóis e com isso, a artilharia americana não sabia onde realmente atirar contra os espanhóis.

Roosevelt, acreditando que ainda podia vencer a batalha, subiu em seu cavalo e correu gritando para seus homens o seguirem até a vitória ou a morte. Com grande admiração, os americanos avançaram, juntos com alguns guerrilheiros cubanos, e mesmo sofrendo enormes perdas, conseguiram tomar toda a colina e expulsar os espanhóis.

Logo em seguida, os americanos avançaram e tomaram o Morro El Caney, ainda sofrendo mais baixas do que antes. No fim do dia, 267 espanhóis estavam mortos ou feridos e o resto abandonava Santiago para os americanos. Porém, as baixas americanas e cubanas foram aterradoras: 1240 mortos e feridos. Se os espanhóis tivessem recebido reforços antes da batalha, talvez os americanos teriam sido destruídos.

Dias depois, Santiago se rendia para os americanos e com isso, as melhores tropas espanholas da ilha estavam fora da guerra. Após a batalha, rebeldes cubanos iniciaram violentos levantes pelas principais cidades de Cuba e isso impediu que o governador local pudesse enviar mais tropas para enfrentar os americanos. Alguns meses depois, a guerra estava acabada e a Espanha não era mais reconhecida como um império. Ao mesmo tempo, Theodore Roosevelt seria declarado um herói e acabaria se tornando presidente dos EUA algum tempo depois da guerra.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:



As Maiores Batalhas e Guerras da História - Zulus

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra Zulu

(1879)

Tropas britânicas resistem a um brutal ataque Zulu na África do Sul.
 
Facções: Império Britânico (PM Earl de Beaconsfield) x Reino Zulu (Rei Cetshwayo kaMpande).
 
Forças: Britânicos: 41.000 soldados, 27 canhões, 3 Metralhadoras Gatling e um Lança-Foguetes x Zulus: 35.000 guerreiros.
 
Perdas: Britânicos: 2.158 mortos e feridos x Zulus: 6.930 mortos e feridos.
 
Resultado: Vitória Britânica; Anexação inglesa do Reino Zulu.
 
Local: África do Sul.
 
Área Verde (Reino Zulu); Seta Azul Escuro (Primeira Invasão Inglesa); Seta Verde (Contra-ataque Zulu); Cruz Verde (Vitória Zulu); Seta Cinza (Segunda Invasão Inglesa); Cruz Cinza (Vitória Inglesa).
 
A Guerra: Em 1879, o exército britânico era a força militar mais formidável do mundo. Porém, na África do Sul, os britânicos enfrentariam os mais corajosos e poderosos adversários de toda a sua história: os Zulus.
 
O Reino Zulu surgiu em 1816 e foi fundado pelo rei Shaka. O rei modificou seu exército: os guerreiros não mais lançavam dardos, mas sim usavam lanças e longos escudos de couro para combate. Os Zulus tentaram expandir seu reino para o interior, mas foram derrotados pelos bôeres, colonos descendentes dos holandeses, na Batalha do Rio de Sangue em 1838. Depois desse fracasso, os Zulus retornaram para seu reino e ficariam em paz por mais de 40 anos até a chegada dos britânicos. Em 1877, os ingleses chegaram e anexaram a região Transvaal dos bôeres. Mas, acabaram virando o mais novo "problema" dos Zulus.
 
Arrogantes e acreditando que os Zulus eram como qualquer outra tribo que já enfrentaram na África, os ingleses ordenaram que o Reino Zulu fosse imediatamente anexado ao Império Britânico. O rei zulu da época, Cetewayo, ignorou a ordem dos ingleses e mobilizou seu exército. Como retaliação pela desobediência, os ingleses invadiram o Reino Zulu com 3.000 homens em 1879. Assim começava a guerra.
 
A primeira batalha ocorreu em Isandlwana, onde os zulus cercaram uma das três colunas britânicas que haviam invadido seu reino. A batalha foi brutal, mas no fim do dia, os zulus dizimaram a coluna inteira e avançaram contra as outras duas colunas.
 
Durante o avanço dos zulus, estes se depararam contra um posto avançado britânico na fronteira e decidiram destruí-lo para cortar as linhas de suprimentos dos ingleses. A base britânica acabou destruída, mas a ousada resistência da guarnição mostrou aos zulus que os britânicos eram guerreiros corajosos. Recebendo horríveis notícias da guerra contra os zulus, o Império Britânico despachou mais tropas para esmagar essa temível tribo. Entre esses soldados estava Luis J. J. Bonaparte, filho de Napoleão III, que acabou morto por uma lança zulu quando sua tropa foi emboscada na fronteira. A situação parecia críttica para os ingleses.
 
As duas colunas britânicas chegaram perto da capital do Reino Zulu, mas acabaram sendo derrotadas nas batalhas de Esghowe e Kambula, forçando os sobreviventes a recuarem para o seu território. Algumas semanas depois, os ingleses invadiram de novo o Reino Zulu e obtiveram uma decisiva vitória na batalha de Ulandi. Durante a sangrenta batalha, o rei Cetewayo conseguiu escapar, mas acabou sendo capturado por uma patrulha britânica dias depois. Todo o exército zulu foi destruído em Ulandi. Não tendo escolha, Cetewayo assinou um acordo de paz e em 1887, os ingleses anexaram o Reino Zulu ao seu império africano.
 

Curiosidades:

  • Há somente dois filmes sobre a Guerra Zulu: Zulu (1964) e Zulu Dawn (1979) ambas focadas nas principais batalhas onde os britânicos sofreram suas maiores derrotas.
 
  • Essa foi a primeira vez que uma tribo africana desafiava por igual um país europeu. Alguns anos depois, a Itália invadiria a Etiópia e seria humilhada pelo reino etíope que se inspirou nos zulus sobre resistir contra o colonizador europeu.
 
  • Os zulus também usaram armas de fogo contra os ingleses, mas só os membros da guarda real é que realmente usavam tal armamento.
 

Bibliografia:




As Maiores Batalhas e Guerras da História - Afeganistão II

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Segunda Guerra Afegã

(1878-1880)

Tropas britânicas avançam pela cidade de Kandahar contra as tribos afegãs durante a guerra.
 
Facções: Emirado do Afeganistão (Sher Ali Khan) x Império Britânico (Samuel Browne).
 
Forças: Desconhecidas.
 
Perdas: Afegãos: 5.000 mortos e feridos x Ingleses e Indianos: 9.850 mortos e feridos.
 
Resultado: Vitória Política Britânica; Retirada britânica do Afeganistão; Estabelecimento da Província de Durand (Sul do Afeganistão).
 
Local: Afeganistão.
 
Setas Vermelhas (Invasões Anglo-Indianas) e Linha Laranja (Limite do Avanço Anglo-Indiano; Linha Durand).
 
A Guerra: Em 1878, uma nova tensão entre Rússia e Inglaterra, iniciou uma Segunda Guerra pelo controle do Afeganistão. Alguns anos antes, em 1863, Sher Ali sucedeu seu pai Dost Mohammed como Emir do Afeganistão. A Rússia mobilizou suas tropas nas fronteiras do norte do Emirado e enviou representantes para Sher Ali. A Inglaterra, com a Índia, tentou fazer a mesma coisa, mas acabou barrada por tropas afegãs no Passo Khyber. A Inglaterra exigiu um pedido de desculpas, mas Sher Ali os ignorou. Dias depois, a Inglaterra invadia o país uma segunda vez.
 
Assustado por essa nova invasão, Sher Ali abandonou Cabul e fugiu para o norte pedindo ajuda para os russos. Porém, o Império Russo não fez nada e Sher Ali cometeu suicídio em Mazar-i-Sharif, indignado pela falta de apoio de seus aliados russos. Seu filho, Yakub Khan, fez um acordo com os birtânicos e entregou o controle do Passo Khyber para eles como forma de desculpa pelo incidente. Mas, os ingleses cometeram o mesmo erro da guerra anterior e acabaram presos num longo e violento conflito com as tribos locais que controlavam a região do Khyber.
 
Em 1879, representantes britânicos enviados para Cabul, foram emboscados e mortos por membros de tribos locais que odiavam os britânicos em suas terras. Considerando tal incidente como um insulto diante do acordo estabelecido, o Império Britânico invadiu o Afeganistão com três enormes exércitos. Cabul e Kandahar caíram rapidamente e Yakub Khan foi forçado a se exilar. Como retaliação, doze tribos afegãs se uniram, lideradas pelo primo de Yakub Khan, Sirdar Abdur Rahman, contra as tropas britânicas.
 
Sirdar iniciou sua marcha para o sul pelo Rio Oxus na fronteira com a Rússia. Se aproximando da capital, os britânicos abandonaram Cabul. Após essa rápida vitória afegã, os britânicos queriam um novo acordo com Sirdar. Ele aceitou e a paz retornou para o emirado. Amado pelos líderes tribais, Sirdar uniu a maioria da tribos num governo mais democrático e unificado do que antes. Foi uma enorme transformação para o Afeganistão. Em 1893, para evitar novas tensões com os ingleses, Sirdar entregaria todo o sul do Afeganistão para os britânicos e estes controlariam a região até 1919, quando um novo acordo seria estabelecido e o Afeganistão se tornaria uma nação própria e sem influência externa por muitos anos.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia:




Terror no Espaço - Curiosidades (Alien 3)

 

Como o Ovo Alien foi parar na Sulaco?

Não lembro de ter comido ovo no café da manhã!
 
Por causa do roteiro caótico que foi o Alien 3, ninguém da produção soube explicar ou responder como esse ovo foi parar na nave e quem o colocou aí. Mas, existem quatro teorias sobre esse tema tão estranho. Vamos ve-los:
 

Teoria 1:

A primeira teoria é bem simples. A Rainha, após o ataque de Ripley no ninho, pode ter pego um ovo entre todos os outros que estavam queimando e o escondido numa "bolsa" no seu peito. Porém, há uma contradição. A Rainha é tão grande que ela não conseguiria esconder o ovo num lugar tão oculto como na imagem acima. Também, ela causaria bastante barulho chamando a atenção dos humanos na nave. Por isso que existe uma segunda versão dessa teoria. Essa nova versão fala que a Rainha, em ocasiões especiais, produziria um facehugger e o colocaria, junto com o ovo nas suas costas. Assim, ficaria mais fácil a criatura esconder o ovo. Mas, como já era esperado, outra contradição surgiu. O facehugger não tem força suficiente para carregar ou esconder o ovo. Com isso, essa teoria acabou sendo deixada de lado para algo mais interessante.
 

Teoria 2:

Essa é bem melhor que a anterior. Bishop, o androide que ajudou Ripley a resgatar Newt pode ter sido forçado por um comando secreto da Companhia em trazer um espécime. Ele aproveitou que Ripley estaria distraída, pegaria um ovo qualquer e o esconderia na Sulaco. Porém, há outra controvérsia nessa teoria. Bishop não tinha como pousar no Reator, pois este estava prestes a explodir. Mesmo que conseguisse pousar, Bishop não teria tempo suficiente para pegar um ovo, leva-lo até a Sulaco, esconde-lo de Ripley e voltar para pegá-la. Infelizmente, mesmo sendo uma teoria bem interessante, ela acaba sendo deixada de lado por alguns meros detalhes. Vamos para a próxima!
 

Teoria 3:

Essa vem da expansão do jogo "Aliens: Colonial Marines - Stasis Interrupted". Após os eventos do segundo filme, a Companhia despachou uma nave de pesquisa chamada de Legato para buscar novos espécimes (poderiam ter feito isso antes né!). A Legato aterrissou perto da Nave Alien e coletou centenas de ovos. Depois, foi despachada para localizar e abordar a Sulaco, que estava orbitando o planeta prisional de Fiorina 161. Horas depois de deixar LV-426, a Legato localizou a Sulaco e a abordou. Mas, os ovos acabaram eclodindo mais cedo do que o esperando e metade da tripulação acabou infectada. Muitos aliens nasceram e até alguns entraram na Sulaco. Essa teoria diz que esses aliens abordaram a nave e trouxeram alguns ovos com eles. Foi durante essa invasão que um dos ovos eclodiu e Ripley acabou infectada. Mesmo sendo interessante esse conceito, a teoria é fraca comparada com as outras, pois você não vê nenhum alien levando ovo algum para a Sulaco e Ripley já aparece com o facehugger no rosto antes mesmo da invasão. Então acabamos chegando em outro beco sem saída. Vamos para a última teoria!
 

Teoria 4:

Essa pode se tornar realidade se o filme de Neil Blomkamp for feito. A última teoria diz que todo o evento do terceiro filme, mais o evento do quarto filme, foi tudo um longo pesadelo do trauma que Ripley teve com os Aliens. Ela ainda estaria, junto com Hicks, Newt e Bishop, vagando pelo espaço e retornando para a Terra. É uma teoria bem simples, mas que pode realmente acontecer se o filme do Alien de Blomkamp for aprovado pela Fox. Vamos torcer para que isso ocorra!
 

Bibliografia:

  • Informações retiradas do blog AVPGalaxy.

As Maiores Batalhas e Guerras da História - França

 

As Maiores Batalhas e Guerras da História

A Guerra Franco-Prussiana

(1870-1871)

Tropas francesas e prussianas se enfrentam em Bapaume na França.
 
Facções: Confederação Alemã (Guilherme I) x Segundo Império Francês (Napoleão III).
 
Forças: Prussianos: 1.400.400 homens x Franceses: 2.000.700 homens.
 
Perdas: Prussianos: 144.600 mortos e feridos x Franceses: 756.200 mortos e feridos.
 
Resultado: Vitória Prussiana; Queda do Segundo Império Francês; Formação da Terceira República Francesa; Confederação Alemã se torna o Império Alemão; Tratado de Frankfurt; Prussianos anexam as regiões francesas da Alsácia e da Lorena.
 
Local: França e na Província do Reno.
 
Área Vermelha (Confederação Alemã); Área Azul (Império Francês); Seta Vermelha (Invasão Prussiana); Linha Laranja (Limite do Avanço Prussiano).
 
A Guerra: Em 1870, dois grandes rivais europeus se viram numa iminente guerra pelo trono espanhol: França e Prússia. Quando a França descobriu os planos da Prússia de anexar a Espanha para sua Confederação Alemã, os franceses imediatamente se mobilizaram para conter essa nova ameaça. A França até tentou a diplomacia com Guilherme I, mas este ignorou os conselhos do embaixador francês e o mandou embora. Se aproveitando do ocorrido, o chanceler Otto von Bismarck editou uma falsa notícia de que o kaiser foi muito rude ao embaixador francês. Quando a notícia chegou na França, a população já queria uma guerra e a destruição da Prússia por tal ato. Caindo nas manipulações de Bismarck, Napoleão III, imperador francês, declarou guerra à Prússia em 19 Julho de 1870, um grave erro que levaria a França a uma de suas maiores humilhações militares da História.
 
Logo de imediato, três exércitos prussianos invadiram pelo leste da França e rapidamente rumaram para Paris. Os franceses só possuíam um exército na região e este foi pego de surpresa pela rápida invasão prussiana. Mesmo com uma ousada e heróica defesa na Batalha de Gravelotte, 18 de Agosto, os franceses recuaram para a fortaleza de Metz e tentaram parar o avanço prussiano lá. Porém, os prussianos estavam muito bem equipados com morteiros de cerco e em 54 dias tomaram Metz e renderam todo o exército francês do leste.
 
Em 1 de Setembro, Napoleão III reuniu 100.000 homens e marchou para Sedan, numa nova tentativa de deter o avanço prussiano. A batalha foi um desastre total para a França. Não só 20.000 franceses morreram como os outros 80.000 se renderam no dia seguinte, junto com o seu imperador.
 
Com a queda de Napoleão III, o conselho de Paris dissolveu o Segundo Império Francês e estabeleceu a Terceira República Francesa. Após uma árdua votação foi decidido continuar com a guerra. Em 19 de Setembro, dois exércitos prussianos cercaram Paris e a cidade resistiu até 28 de Janeiro de 1871 quando a fome começou a assolar a população local. No mesmo dia a capital se rendeu.
 
Já na Alemanha, Bismarck e Guilherme I declaravam o fim da Confederação Alemã e o início do glorioso Império Alemão (Primeiro Reich). A declaração foi feita, para humilhar os franceses, nos salões de Versalhes. Era pela primeira vez na história alemã desde o Sacro Império Romano que todos os ducados alemães haviam se juntado em um único governo.
 
Em 10 de Maio de 1871, a França assinava o Tratado de Frankfurt e entregava as províncias industriais da Alsácia e da Lorena para os alemães. Também foi forçada a pagar mais de cinco milhões de francos pelos danos causados durante a guerra.
 
Não há curiosidades.
 

Bibliografia: